Painel Telebrasil 2020

Guedes sobre inflação: subiu porque pobres estão comprando mais

Ministro da Economia minimiza "barulheira" por preço dos alimentos, destaca efeito das medidas emergenciais, diz que construção civil terá um boom de 10 anos e reitera que retomada do Brasil já é em V

Simone Kafruni
postado em 15/09/2020 15:13
 (crédito: Evaristo Sá/afp)
(crédito: Evaristo Sá/afp)

Após deixar claro que o cartão vermelho que o presidente Jair Bolsonaro ameaçou dar nesta terça-feira (15/9) não era para ele, o ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou, em live, durante o evento Painel Telebrasil 2020, que a retomada do país em V é uma realidade e que a inflação dos alimentos e do material de construção é reflexo de maior consumo pelas classes beneficiadas pelo auxílio emergencial. “Prestem atenção nos sinais e não na barulheira”, disse.

“Quando eu falava que a retomada do Brasil seria em V, diziam que era otimismo. Agora é realismo, porque a economia está voltando em V, reagiu bem às medidas e à prorrogação do auxílio emergencial”, afirmou. “Além disso, tem R$ 37 bilhões entrando do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), mais R$ 100 bilhões em crédito. A economia vai ser empurrada fortemente neste fim de ano. Já está reagindo bem”, assinalou.

Para o ministro, como o auxílio foi forte e houve extensão por mais quatro meses, além do crédito e do FGTS, houve enxurrada de dinheiro concentrada nos mais frágeis. “A pauta de consumo dos mais vulneráveis é alimento e tentar fazer a construção da sua casa. Está havendo um boom de construção na baixa renda e nos supermercados. Os mais pobres estão comprando, estão melhorando a condição de vida”, ressaltou.

Guedes reconheceu que há também efeito de exportações de alimentos e alta do dólar na inflação. “Mas vem uma supersafra pela frente. Abrimos as importações com tarifa zero, portanto essa alta é temporária. É um problema transitório. Inflação é quando a alta de preços é generalizada”, explicou.

Boa surpresa

Várias medidas foram encaminhadas para destravar os investimentos e garantir que a retomada seja mesmo em V, pontuou o ministro. “Seguem as reformas, primeiro veio o marco do saneamento, agora o do gás, depois vem setor elétrico e cabotagem, concessões de petróleo. Tem toda uma agenda de investimentos em um cenários de juros baixos”, elencou.

“A construção civil vai ter um boom de cinco, 10 anos. Os prefeitos têm simplificado e acelerado os protocolos da construção civil, setor que está criando empregos no meio da crise”, completou. “A economia está voltando em V. Podemos ter uma boa surpresa no fim do ano.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação