PETRÓLEO

Petrobras reduz investimentos

Aportes da estatal na área de exploração e produção ficarão entre US$ 40 e 50 bilhões entre 2021 e 2025, em vez dos US$ 50 bilhões previstos no plano estratégico anterior. Empresa afirma que pretende concentrar o foco em ativos de maior rentabilidade e reduzir a dívida bruta

Simone Kafruni
postado em 16/09/2020 00:59

A Petrobras anunciou redução dos investimentos para o período de 2021 a 2025. Segundo a estatal, o aporte em Exploração e Produção (E&P) será entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões, e não mais os US$ 64 bilhões anunciados no Plano Estratégico de 2020-2024. A justificativa da empresa é que revisão, feita “frente à crise provocada pela covid-19”, visa maximizar o valor do portfólio do E&P, com “foco em ativos de classe mundial em águas profundas e ultraprofundas”.

A revisão do portfólio está de acordo com as premissas de preço divulgadas nos resultados do primeiro trimestre. Além da revisão da carteira de investimentos e desinvestimentos, foram consideradas diretrizes: a desalavancagem, atingindo a meta de dívida bruta de US$ 60 bilhões em 2022, e a resiliência, priorizando projetos com ponto de equilíbrio (breakeven point) do preço do barril de petróleo Brent de, no máximo, US$ 35, e aderentes à estratégia da companhia. A desvalorização do real também teve efeito na decisão.

“Búzios e os demais ativos do pré-sal passarão a ter uma importância ainda maior na carteira da companhia, representando aproximadamente 71% do investimento total do E&P para 2021-2025, contra 59% no Plano Estratégico de 2020-2024. Os investimentos nesses ativos de classe mundial, nos quais somos o dono natural, estão em linha com nossos pilares estratégicos, sendo resilientes a preços mais baixos de óleo”, explicou a companhia.

“Com a revisão, a Petrobras decidiu incluir novos ativos na carteira de desinvestimentos. O potencial impacto na curva de produção, assim como o cronograma de início das novas plataformas, será anunciado no Petrobras Day 2020, previsto para o final de novembro, após a conclusão e aprovação do Plano Estratégico de 2021-2025. A Petrobras reafirma seus pilares estratégicos e prosseguirá na sua execução com o objetivo de criação de valor sustentável para seus acionistas”, finalizou e estatal, em nota.

Eficiência
Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos, avaliou como positiva a decisão da estatal de reduzir entre 21,9% e 37,5% seus investimentos para o quinquênio 21-25. “Com a decisão, a companhia reafirma a postura diligente e objetiva em sua alocação de capital. Com os níveis de demanda e oferta, assim como toda a indústria petrolífera mudando em sua forma operacional, financeira e regulatória de maneira célere, a racionalização da política de investimento vem em linha com seus recentes movimentos e com o que se espera da companhia”, afirmou.

O ganho de importância do campo de Búzios neste novo plano, de acordo com o especialista, reafirma o compromisso da Petrobras com a eficiência e o objetivo de ganhar terreno onde possui vantagens comparativas. “O plano indica que a companhia continuará implementando sua estratégia competitiva via custo”, disse.

“A decisão também permite que a companhia ganhe tração em sua política de redução de dívidas e, assim, fique mais perto de voltar a pagar proventos de forma mais robusta, que ocorrerá quando a dívida, atualmente em US$ 91,5 bilhões atingir US$ 60 bilhões, o que deve ocorrer a partir de 2022”, completou Arbetman.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação