TRABALHO

Criação de vagas aumenta em agosto, mas o desemprego segue subindo

Governo comemora criação de 249 mil vagas com carteira assinada em agosto, porém, a taxa de desocupação continua em alta. Segundo o IBGE, 13,1 milhões de trabalhadores estavam à procura de emprego no trimestre encerrado em julho

Marina Barbosa
postado em 01/10/2020 06:00 / atualizado em 01/10/2020 06:29
 (crédito: editoria de ilustração)
(crédito: editoria de ilustração)

Apesar de a taxa de desemprego estar em nível recorde, devido à crise gerada pela pandemia de covid-19, o mercado de trabalho formal deu sinais de recuperação em agosto. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), 249,3 mil vagas de trabalho com carteira assinada foram abertas no país no mês, o melhor resultado para o período desde 2010.

desemprego
desemprego (foto: editoria de ilustração)

O dado foi comemorado pelo ministro da economia, Paulo Guedes. “Estamos voltando em V”, afirmou Guedes. “Estamos muito próximos de retomar o mesmo nível de admissões do ano passado”, acrescentou o secretário de Trabalho, Bruno Dalcolmo.

O saldo de agosto é fruto de um aumento de 10% das contratações, que somaram 1,2 milhão, contra 990 mil demissões. O movimento de contratações foi sentido em todos os estados brasileiros e em todos os setores econômicos, inclusive o de serviços, o mais afetado pelas medidas de isolamento social. Em agosto, o segmento gerou 45,4 mil vagas formais, puxado pelas atividades financeiras, imobiliárias, profissionais, administrativas e de comunicação.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, completou que o saldo é resultado das medidas emergenciais de emprego, renda e crédito implementadas pelo governo para combater os efeitos da pandemia.

Ressalvas

O bom resultado de agosto, porém, ainda não compensou todas as perdas da crise, já que, no ano, o saldo do mercado formal de trabalho é negativo em 849,4 mil vagas. E é visto com certa ressalva pelo mercado, já que, ainda ontem, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que a taxa de desemprego bateu recorde, chegando a 13,8% no trimestre encerrado em julho.

Segundo o IBGE, existem 13,1 milhões de desempregados no país, além de 5,8 milhões de desalentados, e 32,9 milhões de trabalhadores subutilizados. Por isso, a população ocupada está no menor nível da série histórica (47,1%). E a edição especial da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Covid (Pnad Covid) já mostrou que o desemprego continuou avançando em agosto e setembro.

Economista da Coface para a América Latina, Patrícia Krause explicou que muitas empresas fizeram grandes demissões no início da pandemia, mas podem ter realizado algumas recontratações agora que as atividades estão reabrindo, o que influenciou o saldo do Caged. Porém, lembrou que essas contratações ainda não são suficientes para compensar todas as demissões da quarentena.

“A taxa de desemprego vai continuar subindo, porque muitas pessoas ainda não estão procurando emprego, mas, quando voltarem a buscar uma vaga, vão voltar a pressionar a taxa de desocupação. Além disso, muitas empresas ainda podem fazer demissões”, avaliou.

“Os desligamentos não aumentaram por conta dos programas governamentais. Com a reversão e a finalização desses programas, devem voltar a subir”, reforçou o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, referindo-se tanto aos acordos de redução salarial, que, segundo o governo, evitaram a demissão de 11 milhões de pessoas, quanto ao auxílio emergencial, que tem ajudado a manter o movimento econômico em diversas regiões do país.

O governo, contudo, não acredita no aumento das demissões e espera que as contratações continuarão subindo até o fim do ano. Para Dalcolmo, o saldo anual do Caged pode ser até melhor do que os de 2015 e 2016, apesar da pandemia. Bianco reconheceu, por sua vez, que o governo ainda estuda uma forma de tirar do papel a sua principal aposta trabalhista para o pós-pandemia: a desoneração da folha, cuja negociação está travada, já que, para Guedes, deve caminhar junto com a criação de um tributo alternativo que compense a perda de arrecadação.

Redução salarial será prorrogada

O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou a prorrogação por mais dois meses dos acordos de suspensão do contrato de trabalho e redução salarial que foram liberados na pandemia do novo coronavírus pela Medida Provisória (MP) nº 936. Segundo ele, os acordos serão estendidos para “continuarem preservando empregos”, enquanto a economia brasileira se recupera da crise da covid-19. A prorrogação será formalizada em decreto ado presidente Jair Bolsonaro.

“Quase 16 milhões de trabalhadores tiveram seus empregos preservados graças ao programa do Benefício Emergencial. Eu diria que foi o programa mais efetivo em termos de gastos. Preservar 16 milhões de empregos gastando R$ 22 bilhões... O programa está tendo tanto sucesso, tanto êxito, que vamos estender por mais dois meses”, confirmou Guedes,

Segundo o Caged, o Brasil perdeu 1,566 milhão de vagas de trabalho formal entre março e junho deste ano devido à crise instalada pela pandemia do novo coronavírus. Porém, já começou a dar sinais de recuperação em julho, com a criação de 131 mil vagas formais, e em agosto, quando 249 mil postos com carteira assinada foram criados.

O ministro disse que o estrago no mercado de trabalho poderia ser bem maior se o governo não tivesse editado a MP 936. “Enquanto isso, os Estados Unidos perderam 30 milhões de empregos”, frisou. “Vamos estender por mais dois meses para continuar preservando empregos, enquanto a economia faz essa volta em V e continua gerando vagas”, concluiu Guedes.

Secretário especial de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia, Bruno Bianco acrescentou que a medida vem para dar um suporte aos setores econômicos que ainda estão se recuperando e retomando as atividades. “Teremos a possibilidade de os setores que ainda precisam se valham de mais dois meses, seja de redução de salários e jornada, seja de suspensão do contrato de trabalho. Aqueles que não precisam não o farão. Mas o programa continuará disponível, provavelmente por mais dois meses”, afirmou Bianco.

A prorrogação da MP nº 936 foi solicitada por empresários do setor de serviços, como os donos de bares e restaurantes, que ainda registram um faturamento 70% inferior ao nível pré-pandemia, mesmo após a reabertura. A medida vai permitir que os acordos de suspensão do contrato ou de redução salarial, que começaram em abril e, até então, poderiam durar quatro meses, se prolonguem por até seis meses. (MB)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação