Conta de luz

Aneel aprova redução de 0,64% nas tarifas de energia da CEB

O corte será para consumidores residenciais. Para baixa tensão, o reajuste será de -0,49%. Já a indústria sofrerá alta de 2,14%. O efeito médio é de 0,27%, segundo a agência reguladora

Simone Kafruni
postado em 20/10/2020 12:58
 (crédito: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
(crédito: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, nesta terça-feira (20/10), o reajuste tarifário da Companhia Energética de Brasília (CEB-Distribuição). A distribuidora atende 1,1 milhão de unidades consumidoras no Distrito Federal (DF).

Para os consumidores residenciais, a tarifa terá redução de 0,64%. Na baixa tensão, que também inclui outras faixas de consumo (veja abaixo), a média é de um corte de 0,49%. Já para a alta tensão, que atende indústrias, as tarifas vão subir 2,14%. Com isso o efeito médio para os consumidores é de 0,27%.

Segundo o órgão regulador, o reajuste foi impactado, por um lado, pelo aumento dos custos de aquisição de energia e transmissão de energia, e por outro, pelo efeito da retirada de componentes financeiros do último processo tarifário da distribuidora. “Cabe destacar que o empréstimo da Conta-Covid proporcionou amortecimento dos índices de reajuste a serem percebidos nas contas dos consumidores brasilienses. A Conta-Covid contribuiu para amenizar o impacto do reajuste em -10,20%”, afirmou a Aneel.

Faixas de consumo

O efeito médio da alta tensão refere-se às classes de maior consumo, com a industrial (A1). Para a baixa tensão, a média engloba as classes residencial e baixa renda (B1); agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural (B2); industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio (B3); e iluminação pública (B4).

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação