Energia

Privatização da Eletrobras sai em 2021, afirma ministro de Minas e Energia

Bento Albuquerque diz que as discussões avançaram desde que o projeto de lei de capitalização da estatal foi apresentado ao Congresso, em 2019, e a proposta foi aperfeiçoada

Simone Kafruni
postado em 18/12/2020 13:36
Presidente da Eletrobras Wilson Ferreira Júnior diz que venceu a disciplina de capital, por isso a empresa não arrematou nada no leilão da quinta-feira -  (crédito: Miguel Schincariol/AFP - 30/9/16)
Presidente da Eletrobras Wilson Ferreira Júnior diz que venceu a disciplina de capital, por isso a empresa não arrematou nada no leilão da quinta-feira - (crédito: Miguel Schincariol/AFP - 30/9/16)

Mais uma vez, o governo confirmou a expectativa de emplacar a privatização da Eletrobras em 2021. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou, nesta sexta-feira (18/12), que há “todas as condições para a aprovação do projeto de lei (PL) da Eletrobras no Congresso”. Segundo ele, o governo entregou o PL com a proposta de capitalização da estatal em novembro de 2019. “Desde então, estamos discutindo com as lideranças e aperfeiçoando o projeto que foi enviado. Com a volta da normalidade das atividades do Congresso, teremos condições de aprovação da matéria”, disse.

O ministro ressaltou que, com a capitalização da Eletrobras, a União vai continuar com expressiva participação na empresa, mas ninguém terá mais de 10% da companhia. “Será uma corporação e voltará a ter condições de fazer os investimentos necessários. Desde 2014, ela não participa de leilões de energia e tem perdido participação”, assinalou.

Apesar das declarações do ministro nesta sexta, na véspera a Eletrobras participou do leilão de transmissão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Dos 11 lotes ofertados, a companhia disputou cinco, por meio das subsidiárias Furnas, CGT Eletrosul e Amazonas GT. Porém, não arrematou nenhum. “Avaliamos como positiva nossa participação em cinco lotes, assim como a dedicação de nossos dirigentes e empregados para obter projetos e propostas competitivas. Temos a certeza de que venceu a disciplina de capital, respeitando o custo do capital próprio da companhia”, observou o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior.

Sinergia

A Eletrobras é responsável por 44% das linhas de transmissão do país, abrangendo um total de 70.917 km. “Adotamos como premissa para participação no leilão a sinergia com ativos já existentes em diferentes pontos do país, com a presença das controladas para cada região”, explicou o diretor de Transmissão, Marcio Szechtman.

“É fundamental o respeito às condições financeiras de cada controlada, por meio da nossa estratégia de disciplina financeira, tendo como meta agregar valor à companhia, observando taxas mínimas de retorno para cada um dos ativos”, ressaltou a diretora financeira da Eletrobras, Elvira Presta.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE