DADOS DO BC

Concessões de crédito livre sobem 5,9% em novembro

A taxa de juros no crédito consignado para pessoas físicas caiu 0,6% de outubro para novembro e 2,1% no pagamento parcelado do cartão

Vera Batista
postado em 23/12/2020 11:39 / atualizado em 23/12/2020 11:40
 (crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)
(crédito: Marcello Casal JrAgência Brasil)

As concessões totais de crédito somaram R$ 376 bilhões em novembro. Na série com ajuste sazonal, houve elevação mensal de 1,4%, como resultado do aumento de 4% no crédito às empresas e de 0,2% no crédito às famílias. No acumulado do ano, em relação ao mesmo período de 2019, as concessões totais cresceram 5,9%, com elevações de 12,6% nas operações com empresas e de 0,3% com famílias, de e acordo com as Estatísticas Monetárias e de Crédito do Banco Central.

No crédito livre (modalidade em que os bancos escolhem como querem distribuir os recursos), a taxa média de juros foi de 26,3% ao ano, com que de 0,2 ponto percentual no mês e de 9,3 ponto percentual, no ano. O destaque, aponta o BC, foi a queda de queda de 0,7 ponto percentual na taxa de juros a pessoas físicas, para 38,1% ao ano, "retornando ao patamar de setembro, com destaque para crédito consignado (-0,6 p.p.) e cartão parcelado (-2,1 p.p.)", informa o BC.

No crédito livre às empresas, a taxa média de juros ficou em 12,2 ponto percentual., com aumento de 0,2 p.p. no mês, com destaque para a elevação em conta garantida (+1,3 p.p.). Excluindo-se as operações rotativas, a taxa média de juros do crédito livre alcançou 21% ao ano, com alta de 0,1 ponto percentual no mês e queda de 5,1 ponto percentual, na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Saldo

O saldo das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) alcançou R$ 4 trilhões em novembro, crescendo 2% no mês, com aumentos de 2% nas carteiras de pessoas físicas e jurídicas, que atingiram, na ordem, saldos de R$ 2,2 trilhões e de R$ 1,8 trilhão. Em 12 meses, o crescimento da carteira total acelerou de 14,7% para 15,6%, resultado de expansões nos créditos às empresas (de 21,3% para 22,1%) e às famílias (de 9,9% para 10,9%).

O crédito livre para pessoas jurídicas totalizou R$1,1 trilhão, com aumentos de 2,2% no mês e de 24,7% na comparação interanual, destacando-se as modalidades de capital de giro acima de um ano e desconto de duplicatas. O saldo do crédito livre a pessoas físicas chegou a R$ 1,2 trilhão, após elevações de 2,7% no mês e de 10,7% em doze meses, com aumentos em cartão de crédito à vista, crédito consignado e financiamento de veículos.

No crédito direcionado, a carteira de pessoas jurídicas alcançou R$ 678 bilhões em novembro, elevações de 1,6% no mês e de 18,1% na comparação interanual, refletindo a expansão em outros créditos direcionados, devido aos programas de apoio a micro, pequenas e médias empresas, criados para combater os efeitos da pandemia. O saldo com pessoas físicas alcançou R$ 995 bilhões, aumentos de 1,2% e de 11%, respectivamente, prosseguindo as expansões em crédito rural e financiamento imobiliário.

As concessões totais de crédito somaram R$376 bilhões em novembro. Na série com ajuste sazonal, ocorreu elevação mensal de 1,4%, com acréscimos de 4% no crédito às empresas e de 0,2% no crédito às famílias. No acumulado do ano, em relação ao mesmo período de 2019, as concessões totais cresceram 5,9%, com elevações de 12,6% nas operações com empresas e de 0,3% com famílias.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE