CONJUNTURA

Prisão de deputado acende alerta no governo sobre avanço da pauta econômica

Prisão de Daniel Silveira e possível impasse entre Congresso e STF preocupam o governo, mas lideranças parlamentares garantem que as medidas voltadas a reativar a economia, como o auxílio emergencial e as reformas, não serão paralisadas

Marina Barbosa
postado em 18/02/2021 06:00 / atualizado em 18/02/2021 12:36
 (crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)

A prisão do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ) dominou as discussões da Câmara dos Deputados nas últimas horas, acendendo uma luz amarela no governo sobre o andamento da pauta ligadas à economia. Parlamentares garantem, porém, que o episódio não vai contaminar a agenda econômica. A percepção é de que o país não pode mais esperar por definições como o auxílio emergencial e o Orçamento e, por isso, não se pode misturar as coisas.

-
- (foto: -)

A intenção de não se desviar da pauta acordada com o ministro da Economia, Paulo Guedes, foi ressaltada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), enquanto o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), tentava costurar um acordo com os líderes partidários sobre o futuro de Daniel Silveira. “Não elevaremos esse episódio a uma crise institucional. Seguimos com as prioridades comuns do Brasil: vacina, auxílio e reformas”, escreveu Pacheco nas redes sociais.

Hoje, Pacheco comanda reunião de líderes do Senado, em que deve ser definida a tramitação do “novo marco fiscal” pedido por Guedes como contrapartida para a retomada do auxílio. Líderes partidários dizem que o Senado pode pautar para a próxima semana a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo. Com isso, a ideia é aprovar o auxílio em até três semanas, para que o benefício seja pago a partir de março.

“Há boa vontade dos líderes e das bancadas com a responsabilidade social e fiscal”, disse o líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM). “O auxílio emergencial é uma unanimidade. É possível votar algo na próxima terça ou quarta-feira”, acrescentou o líder do PSDB, Izalci Lucas (DF). “São assuntos importantes e distintos. Vamos discutir hoje na reunião de líderes do Senado, e a Câmara não vai parar tudo por conta disso (a prisão de Daniel Silveira)”, reforçou o líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO).

Lideranças da Câmara, órgão diretamente afetado pelo caso do deputado bolsonarista, também destacaram a necessidade de avançar com os dois assuntos de forma paralela. A oposição e a minoria, por exemplo, disseram que “a prioridade máxima” é “vacina para todos e prorrogação do auxílio emergencial já” na mesma nota em que anunciaram a representação contra Daniel Silveira no Conselho de Ética da Casa.

Reformas

Pelo entendimento fechado entre Guedes e a cúpula do parlamento, a PEC do Pacto Federativo deve ganhar uma cláusula de calamidade pública para deixar o auxílio emergencial fora do teto de gastos. A proposta, contudo, pode passar a tramitar com a PEC Emergencial, que prevê medidas de cortes de gastos e sofrem maior resistência política. Para discutir a potência dessas medidas fiscais e o alcance do novo auxílio, a equipe econômica deve receber hoje o senador Márcio Bittar, relator das PECs e do Orçamento.

Presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO), a deputada Flávia Arruda (PL-DF) também deve participar da reunião. Ao Correio, ela garantiu que a CMO não vai retardar os trabalhos diante da prisão de Daniel Silveira, que deve ser avaliada hoje pelo plenário da Câmara. O objetivo é aprovar o Orçamento até o fim de março. “O país não pode mais esperar”, afirmou a deputada, que já apontou as prioridades do Orçamento: vacina e auxílio emergencial.

“O auxílio emergencial vai avançar rápido porque é uma pauta importante para o país e os parlamentares reconhecem isso. Daniel Silveira é pequeno diante dessa questão, logo não deve atrapalhar, a não ser que Bolsonaro transforme o caso em um problema maior”, afirmou o professor de ciência política do Insper Humberto Dantas.

Entraves

Ele não acredita, no entanto, que as demais reformas econômicas vão andar com tanta celeridade. “A questão do Daniel Silveira pode ser superada rapidamente, mas a pauta de reformas econômicas não, porque o Centrão vai cobrar o preço dos acordos firmados com Bolsonaro”, explicou.

Diferentemente do auxílio emergencial e da PEC do Pacto Federativo, as reformas tributária e administrativa ainda devem tramitar por comissões antes de irem aos plenários da Câmara e do Senado. Quanto à reforma tributária, a ideia no Congresso é encerrar a comissão mista ainda neste mês, para que a proposta final seja aprovada até outubro.

Já a reforma administrativa precisa passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de ir para uma comissão especial. E a briga pela presidência da CCJ pode se acirrar, pois a indicada para o cargo, a deputada Bia Kicis (PSL-DF), sofre resistência e compartilha das críticas desferidas por Daniel Silveira ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Bolsa sobe, mas incerteza eleva o dólar

Com o pregão mais curto por conta da volta do feriado de carnaval, o Ibovespa, principal indicador da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), teve alta de 0,78% ontem, aos 120.355 pontos. O movimento das commodities, como o petróleo e o minério de ferro, que seguem em alta, puxaram o índice. O dólar continua se valorizando em relação ao real por conta da desconfiança do mercado com a situação fiscal do país. A divisa norte-americana subiu 0,80%, cotada em R$ 5,420.

De acordo com Gustavo Bertotti, economista-chefe da Messem Investimentos, o Ibovespa abriu em queda, mas se recuperou em seguida puxado pelas blue chips (ações mais negociadas). O dólar, em direção errática, subindo com a Bolsa, é reflexo das preocupações com a possibilidade de um novo auxílio emergencial, que poderá comprometer as contas públicas, e de desdobramentos políticos, com a prisão do deputado bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ) por apologia ao AI-5 e ataque ao Supremo Tribunal Federal (STF).

“A Bolsa brasileira está muito ligada ao cenário externo. Tanto que caía até as 14h, mas, depois da divulgação da ata do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), que reforçou estímulo monetário, passou a subir. Isso porque a decisão de maior liquidez mundial beneficia exportadores de commodities, como o Brasil”, explicou.

Não à toa, as ações preferenciais da Petrobras tiveram alta de 3,87% e as ordinárias, de 4,11%. Os papéis da Vale valorizaram 2,89%. Na mesma direção que a Bolsa, o que é mais incomum, o dólar em alta reflete o cenário doméstico, disse o economista. A moeda americana não perde força porque tem o componente doméstico, a prisão do deputado, o embate político e, principalmente, a preocupação do mercado com o fiscal, diante da possibilidade de novo auxílio emergencial”, explicou Bertotti.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE