ECONOMIA

Funcionalismo mantém desconfiança sobre o arrocho fiscal

Prorrogação do auxílio emergencial ligou o alerta dos funcionários públicos

Vera Batista
postado em 19/02/2021 06:00
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

Os rumores de que o governo pretendia condicionar o pagamento de mais quatro meses de auxílio emergencial ao congelamento do salário dos servidores revoltou o funcionalismo. Eles venceram a primeira batalha, porque esse item deve ser retirado da PEC Emergencial, mas não baixaram a guarda diante da ameaça de outras medidas no mesmo sentido. “O governo quer jogar 67 milhões de brasileiros que estão com o pires na mão contra os servidores, como se fôssemos os culpados pelo fracasso da equipe econômica, que não tem capacidade para administrar o país”, afirmou Sérgio Ronaldo da Silva, secretário-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef).

“Como falar em congelamento de salários, se isso já acontece desde janeiro de 2017? A perda do poder de compra está chegando próximo aos 35%”, afirmou Silva. Ele lembrou que cerca de 65% dos servidores estão pendurados no crédito consignado. “Devem R$ 222,2 bilhões aos bancos, descontados nos contracheques.”

Rudinei Marques, presidente do Fórum Nacional das Carreiras de Estado (Fonacate), afirmou que, até o fim do ano, o governo vai economizar R$ 18,7 bilhões com o congelamento salarial em curso. “Esse valor atingirá R$ 30 bilhões no primeiro ano do próximo governo. Se considerarmos a inflação medida pelo IGP-M, que disparou nos últimos meses, o governo fará um caixa de R$ 75,4 bilhões”, disse. Medidas dessa natureza, reforçou, são contraproducentes quando a economia precisa de estímulos.

“Estudos do Cedeplar/UFMG apontam os efeitos contracionistas da PEC Emergencial, pois, por um lado, é um dinheiro que deixa de circular na economia e de movimentar as cadeias produtivas, por outro, gera incertezas que impedem investimentos”, analisou Marques.

Segundo Vladimir Nepomuceno, diretor da Insight Assessoria Parlamentar, para financiar o combate à pandemia, “bastaria fazer uma reforma tributária onde os verdadeiramente ricos fossem tributados”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE