Conjuntura

IPCA: inflação sobe 1,62% no mês e é a maior para março em 28 anos

Inflação chega a 11,30% no acumulado. Oito dos 9 grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE tiveram alta em março; os principais impactos vieram dos transportes (3,02%) e de alimentação e bebidas (2,42%)

Michelle Portela
postado em 08/04/2022 10:02 / atualizado em 08/04/2022 10:03
 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado o indicador da inflação oficial do país, acelerou para 1,62% em março, após alta de 1,01% em fevereiro, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nesta sexta-feira (8/4). Com isso, a inflação chega a 11,30% no acumulado e é a maior em 28 anos no histórico do mês.

Trata-se da maior taxa para meses de março desde 1994. É também a maior inflação mensal desde janeiro de 2003 (2,25%). "No ano, o indicador acumula alta de 3,20% e, nos últimos 12 meses, de 11,30%, acima dos 10,54% observados nos 12 meses imediatamente anteriores", destacou o IBGE. É o maior registro em 12 meses desde outubro de 2003.

Setores

Oito dos 9 grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE tiveram alta em março. Os principais impactos vieram dos transportes (3,02%) e de alimentação e bebidas (2,42%), historicamente, grupos de maior peso no IPCA.

A elevação foi puxada principalmente pelos preços dos combustíveis, em especial, o da gasolina (6,95%), subitem com maior impacto individual (0,44 ponto percentual) no índice do mês. Também houve alta forte no gás de botijão (6,57%), gás veicular (5,29%), etanol (3,02%) e óleo diesel (13,65%).

Para 2023 e 2024, o Banco Central projeta uma inflação de, respectivamente, 3,4% e 2,4%.

  • Alimentação e bebidas: 2,42%
  • Habitação: 1,15%
  • Artigos de residência: 0,57%
  • Vestuário: 1,82%
  • Transportes: 3,02%
  • Saúde e cuidados pessoais: 0,88%
  • Despesas pessoais: 0,59%
  • Educação: 0,15%
  • Comunicação: -0,05%
  • Gasolina - 6,95%  


 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE