CB.Agro

Safra recorde no DF

Coordenador da Emater-DF prevê valor bruto de R$ 1,2 bilhão em 2021/2022, em razão da boa produtividade e da alta de preços. Governo investirá em saneamento

RAPHAEL PATI*
postado em 14/05/2022 00:01

O Distrito Federal caminha para obter uma safra recorde de grãos em 2021, segundo o coordenador de operações da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), Pedro Ivo. Segundo ele, a produção brasiliense deve repetir o desempenho nacional. Na última quinta-feira, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) anunciou que o Brasil deve ter, em 2021/2022, uma safra de 270,2 milhões de toneladas de grãos. Trata-se de um aumento de 5% em relação ao ano anterior.

"Nossos dados indicam que vamos ter um VBP (Valor Bruto da Produção) de grão por volta de R$ 1,2 bilhão, o que vai ser um recorde, e é um crescimento por volta de 20%. Lógico que, não só pela produção, mas pela alta de preços. Então, a gente está surfando nas duas ondas, pela produtividade e pela alta de preços", disse Pedro Ivo para o CB.Agro — programa do Correio em parceria com a TV Brasília —, nesta sexta-feira.

O especialista citou como fatores para o bom desempenho do DF o planejamento característico da área rural brasiliense e programas de incentivo à produção, como o Projeto Soja 100, que busca melhorar a produtividade do grão.

Mas ainda há desafios. Para contornar o problema do saneamento básico, a Emater-DF criou o Programa de Saneamento Rural. "Implantamos, nesses últimos dois anos, 300 fossas sépticas para facilitar e promover boas práticas agropecuárias na produção", diz Ivo.

Entre 2020 e 2021, foram investidos mais de R$ 1,5 milhão na implantação de 284 sistemas individuais de tratamento de esgoto nas propriedades. Para este ano, a previsão é de que mais R$ 1,5 milhão em investimentos gerem, ao menos, um saldo de 200 sistemas novos instalados.

Outra questão importante é a respeito da regularização fundiária, queixa recorrente dos produtores rurais. Segundo Pedro Ivo, está em curso um "processo de regularização fundiária com os novos contratos de regularização que, inclusive, esses contratos podem ser dados em garantia".

Ele disse que a ausência de titularidade das terras não tem limitado as concessões de crédito. "A Emater, no ano passado, bateu o recorde de crédito rural com aproximadamente R$ 11 milhões contratados, e de projetos elaborados, mais de R$ 20 milhões, e o Distrito Federal tem mais de R$ 160 milhões de crédito rural contratado. Então, isso não tem impactado no acesso ao crédito", argumentou.

* Estagiário sob a supervisão de Carlos Alexandre de Souza

Tags

CONTINUE LENDO SOBRE