CANDANGATE

Seu campeonato está sob ataque

Sistema de rastreamento de fraudes em cassinos on-line detecta anomalias em apostas de jogos do torneio do DF. Multinacional parceira da Fifa, Uefa, COI e CBF reforçará investigação de manipulação de resultados

Marcos Paulo Lima
postado em 29/04/2021 23:49
 (crédito: Caio Gomez/CB/DA Press)
(crédito: Caio Gomez/CB/DA Press)

As suspeitas de manipulação de resultados no Candangão 2021 podem ter provas fora do quadradinho do Distrito Federal e dispararam alarme internacional.

O Correio apurou que o serviço de espionagem de cassinos on-line Sportsradar — serviço de integridade parceiro da Fifa, COI, Conmebol, Uefa, CBF, Federação Paulista de Futebol, das federações internacionais de tênis, automobilismo, motovelocidade, rúgbi, críquete, hóquei no gelo e de ligas norte-americanas como NBA e MLB — detectou indícios de desvios de padrão no volume de apostas e pagamentos na primeira fase do campeonato da capital do país. O suporte pode ser um passo importante para o cerco a um possível crime organizado.

A reportagem apurou que a multinacional com sede na Suíça, filial sul-americana no Uruguai e representação em mais de 40 países forneceu informações à Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF), ao Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-DF) e ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) para a sequência da apuração das suspeitas de manipulação de resultados no torneio deste ano. Juristas e fontes ouvidas pelo Correio apontam que os relatórios são extremamente relevantes, mas não necessariamente conclusivos.

A Sportsradar funciona como um “Big Brother”. Os casas on-line são as mais vigiadas por ela. O serviço disponível 24 horas por dia tem um indicador chamado Fraud Detection System. O “alarme” dispara quando identifica discrepâncias nos mercados de apostas, e acusa possíveis trapaças. O Correio tentou contato com um executivo da firma, mas os profissionais estão blindados justamente por causa da colaboração com o inquérito no DF.

O porfólio da Sportsradar aponta que os serviços de integridade — termo técnico — são referência mundial no provimento de soluções de integridade esportiva para entidades de administração do desporto, organizações antidoping, clubes, agências de governo e organizações privadas nos combates a manipulação de resultados, antidoping, due diligence, análise de riscos e compliance, estratégias e planejamento.

O cartão de visitas oferece, ainda, o serviço de monitoramento avançado e analistas especializados para que padrões suspeitos de apostas possam ser detectados em mais de 600 operadoras de cassinos do mundo.

Os principais serviços são: sistema de detecção de fraudes, equipe de analistas em Integridade com experiência global, avaliação de riscos sobre mercados de apostas, relatórios certificados independentes, inteligência sobre os mercados de operadores de apostas e monitoramento anônimo de apostas individuais.

A ferramenta foi oferecida anteriormente à FFDF, mas a entidade não contratou devido ao custo. Entre as federações, apenas as mais ricas, como a paulista, aderiram ao plano preventivo. Ciente da suspeita de manipulação de resultados no Candangão, a CBF, um dos badalados clientes da multinacional, ofereceu o suporte à FFDF para a identificação de jogos contaminados e o cerco as possíveis manipuladores.

Epicentro

Uma fonte afirmou ao Correio que o Brasil é, hoje, o epicentro da manipulação de resultados. As máfias são itinerantes pelo país. Torneios daParaíba, Rio e São Paulo foram alvos recentes. Há preferência por torneios “invisíveis”, como o Candangão e a quarta divisão do Carioca. Mas nem os badalados escapam. A Ferj apura suspeita na vitória do Madureira por 4 x 2 sobre o Macaé nesta edição do Estadual.

Firmas oferecem parcerias financeiras a times pobres do país. Há ofertas de jogadores adestrados para a fraude, ou seja, capazes de, em último caso, sabotar a própria equipe. Em vários casos, dirigentes que se dizem inocentes justificam que não sabiam do histórico corrupto dos parceiros.

Suspeitas só aumentam

Pelo menos dois times do Candangão são alvo das investigações: o Sambambaia fechou parceria a toque de caixa com investidores ingleses e sérvios. Antes do Candangão, o clube era o mais fechado. Não fornecia informações sobre praticamente nada.

O outro é o Formosa. O time do Entorno teve apoio de um grupo que deixou terra arrasada no Imperatriz, do Maranhão. A FFDF, inclusive, teria sido alertada sobre o histórico dos parceiros.

Três partidas chamam a atenção do MPDFT e do TJD-DF. Em 2 de abril, o Formosa perdeu por
6 x 1 para o Samambaia. Uma casa de apostas prometia pagar alto no caso de vitória por cinco gols de diferença. A goleada do Ceilândia por 8 x 1 na última rodada da primeira fase e a derrota do Samambaia, por 3 x 0, para o Santa Maria, pela quinta jornada, também estão na mira. Jogadores, alguns dirigentes e árbitros teriam sido abordados para facilitar a contaminação em troca de uma boa recompensa financeira.

No sábado passado, o Correio publicou que os presidentes da FFDF, do Samambaia, Formosa, Ceilândia e da associação de árbitros local, além do diretor de futebol da entidade, foram intimados a depor. Não está descartada a inclusão do mandatário do Real Brasília. O dono do time rebaixado para a segunda divisão teria sido um dos abordados pelo esquema e respondido não ao assédio que, em tese, ajudaria o time a permanecer na elite local.

O MPDFT requisitou, por meio da Procuradoria dos Direitos do Cidadão (PDDC), os contatos de todos os presidentes dos 12 clubes da primeira divisão e detalhes dos resultados das 36 partidas da primeira fase, como súmulas e imagens das partidas. Alguns dirigentes começaram a ser contatados para prestarem esclarecimentos. Paralelamente, o TJD planeja o calendário do inquérito na esfera esportiva. (MPL)

Entenda o caso

» Em 16 de abril, o blog Drible de Corpo publica, com exclusividade, que pelo menos três dos 36 jogos da primeira fase do torneio doméstico podem ter sofrido ataque de uma máfia de apostadores. Revelou, ainda, que o MPDFT apuraria as denúncias.

» A reportagem também é publlicada na edição impressa de 17 de abril do Correio Braziliense.

» Três dias depois, a Procuradoria do TJD-DF apresenta requerimento para apuração do caso e o presidente do tapetão candango não somente defere, como delega a investigação a um auditor do pleno.

» Seis dirigentes são convocados pelo TJD-DF para as chamadas oitivas. O MPDFT também inicia o agendamento dos depoimentos.

» Paralelamente, 0 quadrangular semifinal está na terceira rodada. Amanhã, o Gama receberá o Ceilândia, às 15h30, no Defelê, na Vila Planalto. No domingo, o Brasiliense duelará com o Luziânia, às 15h, no Mané Garrincha. O Jacaré lidera com seis pontos. O Gama tem três; e Ceilândia e Luziânia, um cada. Os dois melhores avançarão à final.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE