Tóquio-2020

Deu Brasil: Leoas do handebol dominam Hungria e garantem dois pontos

Com baile verde-amarelo em quadra, as húngaras se apagam e Brasil brilha na segunda partida classificatória que ficou no 33x27

Júlia Mano*
postado em 27/07/2021 01:10
 (crédito: Wander Roberto/COB)
(crédito: Wander Roberto/COB)

O Ginásio Nacional Yoyogi recebeu, na noite desta segunda-feira (26), o grande show do handebol feminino do Brasil. As meninas se movimentaram com velocidade e prezaram por finalização com qualidade por estarem em vantagem de gols. Dominando toda a partida, as jogadoras mostram o motivo de terem sido apelidadas de Leoas. O placar da segunda partida da fase de grupos das Olimpíadas de Tóquio-2020 ficou em 33x27.

Samara, Duda e Ana Paula Rodrigues foram os grandes destaques da partida, além do paredão no gol verde-amarelo formado por Babi. Com a vitória, o Brasil ganha dois pontos. No momento, é o líder do grupo B, mas pode voltar para a terceira colocação em caso de vitória da Suécia contra o Comitê Olímpico Russo (ROC) e da França contra a Espanha.

O próximo confronto brasileiro é contra a Espanha na quarta-feira (28), às 23h (de Brasília). Se o time verde-amarelo vencer, a classificação para as quartas de final fica praticamente garantida.


Apagão na Hungria e domínio brasileiro

As europeias começaram movimentando com velocidade e abriram quatro a um em cima do Brasil. Contudo, os cinco primeiros minutos da partida de total domínio húngaro em nada definiu o primeiro tempo. Com dois gols de Alexandra do Nascimento, tudo mudou no Ginásio Nacional Yoyogi. À medida que o Brasil avançava e fintava as adversárias, mais dura ficaram as marcações da Hungria, foram muitas pegadas no pescoço das brasileiras e poucas punições devidas por parte da arbitragem.

A Hungria recebeu somente quatro minutos de exclusão durante o primeiro tempo. Na primeira vez que ficou com a vantagem de uma jogadora a mais em linha, o Brasil empatou. A virada partiu da mão de Duda, aos 10 minutos, a armadora sacramentou o domínio brasileiro. Outra estrela que brilhou, foi a da goleira Babi.

Com as jogadoras de linha segurando as húngaras e forçando-as a fazer arremesso de nove metros. As poucas bolas que lançaram, pararam no paredão que se tornou a defensora do Brasil. Chegando ao fim da primeira metade da partida, a Hungria se apagou e o Brasil deu baile. O 16º gol das Leoas veio do chão. Caída, Ana Paula Rodrigues chutou e marcou. Pouco mais de cinco minutos para acabar, a pressão tomou conta das adversárias e erraram fundamentos básicos, entre eles o passe. Fim de primeiro tempo, 17x11 para o Brasil.

Uns tropeços no início e vários acertos no fim

Com o corpo frio depois do intervalo, as brasileiras tiveram alguns erros, o que fez a Hungria diminuir a vantagem de seis pontos. Somado com a substituição no gol, entrou Kinga Janurik que segurou várias bolas das Leoas no início da segunda metade da partida.

As faltas duras contra as húngaras e a consequente punição, ameaçou a tranquilidade brasileira. Foram duas exclusões de dois minutos ao mesmo tempo, mas as adversárias conseguiram marcar apenas um gol.

A falta de critério da arbitragem para sinalizar as punições a favor do Brasil, gerou descontentamento no banco verde-amarelo. Por vários momentos, o técnico Jorge Dueñas subiu dois dedos sinalizando que deveria ser aplicado os dois minutos de exclusão.

No entanto, a arbitragem permissiva não abalou o Brasil, que voltou a brilhar no fim da partida. Samara e Ana Paula foram os destaques nos últimos 30 minutos. As jogadoras marcaram gol atrás de gol e se consagrou de vez a vitória brasileira. Com alta vantagem no placar, as Leoas prezaram por atacar com mais calma e precisão. Assim, fecharam o segundo jogo da fase com 33x27.

 

*Estagiária sob supervisão de Marcos Paulo Lima

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE