Canoagem velocidade

Isaquias Queiroz é ouro na canoagem e reforça status de atleta histórico

Brasileiro conquista quarta medalha olímpica - a primeira nos Jogos de Tóquio - em prova do C1 1.000m disputada nesta sexta-feira e se consolida como lenda

João Vítor Marques - Enviado especial a Tóquio
postado em 07/08/2021 00:04 / atualizado em 07/08/2021 00:14
 (crédito: Breno Barros/Rede Nacional do Esporte)
(crédito: Breno Barros/Rede Nacional do Esporte)

"Eu tô na raiva". As palavras ditas após a classificatória do C1 1.000m demonstravam bem o espírito de Isaquias Queiroz para o último dia de provas da canoagem de velocidade na Olimpíada de Tóquio. Ele fez o melhor tempo das preliminares, mas não estava satisfeito. Sabia que podia mais - e conseguiu. Em final disputada no fim da noite desta sexta-feira (manhã de sábado no Japão), o baiano de 27 anos confirmou o favoritismo, percorreu o trajeto no Sea Forest Waterway em 4:04:408 para conquistar a medalha de ouro e reforçar o status de lenda do esporte olímpico brasileiro. 

Em 2016, Isaquias Queiroz fez história ao se tornar o primeiro (e até aqui único) atleta nascido no Brasil a conquistar três medalhas em uma mesma edição dos Jogos. Naquele ano, no Rio de Janeiro, ganhou prata no C1 1.000m e no C2 1000m (ao lado de Erlon de Souza) e bronze no C1 200m. Mas ao campeão mundial ainda faltava ao sonho olímpico dourado. Não falta mais.

O brasileiro foi dominante durante toda a competição. Nas eliminatórias, fez o melhor tempo entre todos os competidores e avançou diretamente à semifinal, sem a necessidade de disputar as quartas. Quando voltou ao barco, remou os 1.000m em 4m05s579 e conseguiu vaga na decisão também com a marca mais baixa. Apontado como o grande rival de Isaquias, o alemão Sebastian Brendel não conseguiu classificação para a final. E na prova decisiva o baiano conquistou a medalha que tanto perseguia.

Multimedalhista

Isaquias Queiroz é daqueles esportistas que acordam e vão dormir pensando em como podem melhorar. A competitividade é tanta que batizou o filho de "Sebastian". É uma homenagem ao alemão Sebastian Brendel, seu principal rival nas últimas grandes competições. Os motivos? Além da amizade com o concorrente, é também para que o brasileiro lembre todos os dias do adversário e continue treinando.

A paixão pela canoagem, porém, não começou de forma competitiva. Nas águas de Ubaitaba, Isaquias começou a remar logo quando criança. Por lá, a canoa também é meio de transporte para se locomover pelo Rio de Contas Aliás, o nome do local significa, em tupi, "cidade das canoas".

Isaquias logo de cara chamou a atenção de Figueiroa Conceição, então auxiliar-técnico de Jefferson Lacerda, pioneiro da canoagem brasileira. Ele buscava jovens talentos em escolas e ficou espantado com o potencial do 'Oreião', como era conhecido o menino que viraria multimedalhista olímpico.

A infância de Isaquias não foi de fartura, mas nunca lhe faltou nada, como gosta de dizer. Não se pode dizer, porém, que não houve percalços. Pelo contrário. Aos 3 anos, queixou-se de dores na barriga. A "cuidadora" com quem estava, pouco mais velha, resolveu preparar um chá. O garoto esbarrou nela, a água fervente virou e caiu em cima dele.

Após um duro mês internado, Isaquias voltou para casa após uma decisão da mãe, Dilma Queiroz. Ela não queria mais ver o filho na cama de hospital e resolveu assinar um termo de responsabilidade para tirá-lo de lá mesmo contra as recomendações do médico, que alertava para a possibilidade de o menino morrer se a alta fosse antecipada. O garoto sobreviveu.

Cerca de dois anos depois, Isaquias foi sequestrado por uma mulher que vivia em Ubaitaba. A mãe, depois de muito desespero e muito refletir, imaginou quem poderia tê-lo levado e conseguiu encontrá-lo.

Os desafios não pararam por aí. Arteiro e inquieto, sofreu um acidente grave quando tinha dez anos. Isaquias subiu em uma árvore para tentar ver uma cobra morta, caiu do galho da mangueira e desmaiou. Sofreu hemorragia interna e perdeu um rim. Mas, depois de ficar internado em um hospital em Itabuna, a 60km de Ubaitaba, resistiu e, a partir daí, deu os primeiros passos rumo ao estrelato.

E o resto é história. Isaquias se tornou imbatível na canoagem brasileira e, na adolescência, passou a protagonizar torneios internacionais de canoagem. Adulto, fez história no Rio de Janeiro e em Tóquio. E não quer parar. Paris (2024) é logo ali.

"Dedicação durante os últimos anos e não quero sair daqui sem medalha. Se sair sem medalha vou ficar triste, claro. Quero deixar 100% na água para todos verem que me dediquei, me doei ao máximo para representar o Brasil. O que eu treinei não foi brincadeira", chegou a dizer, logo após a classificatória de quinta-feira.

E o trabalho duro do baiano da pequena Ubaitaba, que treina na mineira Lagoa Santa (Região Metropolitana de Belo Horizonte), deu resultado. "Na raiva" após bater na trave na luta pelo bronze ao lado de Jacky Godmann no C2 2.000m (ficaram na quarta colocação), Isaquias conseguiu subir ao pódio em Tóquio e deu um largo passo para se tornar o maior medalhista brasileiro na história olímpica.

Isaquias, agora, tem quatro conquistas: uma de ouro, duas de prata e uma de bronze. Ele iguala o total do nadador Gustavo Borges (que conseguiu duas pratas e dois bronzes), mas fica à frente por ter uma dourada. Só dois atletas nascidos no Brasil têm mais: Robert Scheidt (dois ouros, duas pratas e um bronze) e Torben Grael (dois ouros, uma prata e dois bronzes).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE