Política no esporte

Presidente Bolsonaro sanciona proposta do clube-empresa no Brasil

Com a a aprovação, times de futebol masculino e feminino poderão aderir ao modelo de Sociedade Anônima de Futebol (SAF), que permite maior captação de recursos e alternativas para pagamento de dívidas

VICTOR PARRINI*
postado em 09/08/2021 22:10 / atualizado em 09/08/2021 22:13
 (crédito: Carolina Antunes/PR)
(crédito: Carolina Antunes/PR)

Após ser aprovado pelo Senado Federal e Câmara dos Deputados, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou a lei que permitirá a transformação de clubes do futebol em empresas, através da criação da Sociedade Anônima de Futebol (SAF). Antes da sanção presidencial, em junho, o texto passou pelo Senado e, no mês seguinte, pela Câmara.

Hoje, os clubes funcionam nos moldes de associações civis sem fins lucrativos. Com a aprovação, as instituições poderão utilizar-se de diversos instrumentos para captar recursos, seja através de investidores, títulos de crédito e até lançamento de ações em bolsas de valores.

Mesmo com a sanção, os clubes não são obrigados a aderirem à SAF. Contudo, os dirigentes que optarem pelo modelo empresarial deverão prestar dedicação total à própria instituição. A organização deverá ter instrumentos de governança e controle, pois será fiscalizada por órgãos internos e externos.

A mudança para o modelo clube-empresa visa, também, melhorar o gerenciamento das dívidas dos clubes, principalmente as de caráter trabalhista. As obrigações terão um prazo final de 10 anos para serem quitadas, sendo que nos seis primeiros anos o valor total da conta deverá ter sido abatido em pelo menos 60%. Visando a negociação dos débitos, surgem alternativas como recuperação judicial, através de negociação coletiva, além de um consórcio de credores.

A proposta da Sociedade Anônima de Futebol valerá somente para o futebol masculino e feminino, não havendo possibilidade de abranger outros esportes, federações e até mesmo a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Clubes brasileiros mostram otimismo com o modelo empresarial 

De olho no novo rumo do futebol brasileiro, na última terça-feira (3/8), membros do conselho deliberativo do Cruzeiro votaram a favor da mudança no estatuto do clube, que prevê a migração de associação sem fins lucrativos para o modelo de Sociedade Anônima do futebol.

O Botafogo, por sua vez, comunicou através de nota em 15 de julho que considera a iniciativa como um marco importante no futebol brasileiro. “É um avanço na modernização e profissionalização do futebol no país: um caminho irreversível e alinhado com a visão de futuro do Botafogo e com a reformulação administrativa e econômico-financeira que está em curso”, diz trecho.

*Estagiário sob supervisão de Danilo Queiroz

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE