COPA SUL-AMERICANA

Capitães de Athletico-PR e RB Bragantino sonham com o título continental

Pilares defensivos, Thiago Heleno e Léo Ortiz possuem, além do posicionamento tático, o mesmo objetivo: ser o primeiro campeão sul-americano da temporada

VICTOR PARRINI*
postado em 20/11/2021 09:00
 (crédito: Divulgação/Conmebol)
(crédito: Divulgação/Conmebol)

A América do Sul desperta pronta para conhecer o seu primeiro campeão continental em 2021. Neste sábado (20/11), às 17h, com transmissão excusiva da Conmebol TV, Athletico-PR e Red Bull Bragatino decidem o título da Copa Sul-Americana, no Estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai. A inédita decisão brasileira é a prova final para dois clubes que cumprem o dever de casa com uma gestão diferenciada dos gigantes.

Mas antes do apito final ou até mesmo de a bola rolar, paranaenses e paulistas ensaiam seus capitães para erguer o segundo troféu mais importante do continente. No Furacão, o experiente Thiago Heleno será o encarregado, enquanto Léo Ortiz é o dono da braçadeira paulista. Pilares defensivos das equipes, os dois jogadores possuem características distintas, mas, além do posicionamento tático, o objetivo é o mesmo: ser campeão da América.

Thiago Heleno vive a sexta temporada consecutiva no Athletico-PR. Após passagens por Cruzeiro, Corinthians e Palmeiras, foi em Curitiba que ele se encontrou. A história do zagueiro se confunde com a do Furacão. Aos 33 anos, ele esteve em dois dos mais importantes capítulos da história quase centenária.

O camisa 44 faturou a Copa do Brasil 2019 contra o Internacional e a Sul-Americana do ano anterior. O xerife rubro-negro desembarca para a segunda decisão continental. A primeira final com possibilidade de, enfim, erguer a taça.

O Red Bull Bragantino se apoia na ousadia e na vontade de escrever uma nova história. O zagueiro e capitão Léo Ortiz é a referência. Filho de Luís Fernando Ortiz, ex-pivô campeão mundial de futsal pela Seleção, o defensor tem DNA vencedor. Aos 25 anos, vai em busca do segundo título na carreira. Em 2017, foi vice da Série B do Campeonato Brasileiro pelo Internacional. Dois anos depois, ganhou a Série B pelo Bragantino.

A passagem pelo colorado e, em seguida, por Sport e Red Bull Brasil, foram fundamentais. Em setembro, Léo Ortiz chegou a ser lembrado pelo técnico Tite, ao ser convocado para defender a amarelinha em rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo do Catar.

Gestão de sucesso

O caminho trilhado por Athletico-PR e Red Bull Bragantino até a final na capital uruguaia endossam a importância de uma gestão consciente, com parcerias e potencial para investir em jovens jogadores que podem dar retorno aos cofres.

Recentemente, o Furacão contou com bons jogadores que viraram lucro para investimento ainda maior no futebol. Os maiores exemplos são o lateral Renan Lodi, o meia campeão olímpico, Bruno Guimarães.

No Braga, o caminho passa pela parceria com a multinacional de bebidas Red Bull. O time paulista também vem investindo em jovens. O maior sucesso do clube atende pelo nome de Claudinho, também medalhista de ouro em Tóquio-2020, hoje no Zenit, da Rússia.

Athletico-PR e RB Bragantino despontam como candidatos a novos grandes times do Brasil. Para invadir o seleto grupo dos esquadrões nacionais e, quem sabe, dar início a uma nova ordem no futebol nacional, será preciso dar um passo de gigante.

Programe-se

Final da Copa Sul-Americana
Athletico-PR x Red Bull Bragantino
Onde:
Estádio Centenário (Montevidéu, Uruguai)
Quando:
Sábado (20/11), às 17h
Transmissão:
Conmebol TV

*Estagiário sob supervisão de Marcos Paulo Lima

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE