Uma noite de teatro para nossos atores

Danilo Queiroz Enviado especial*
postado em 08/12/2021 00:01

Aracaju — A temporada 2021 foi, inegavelmente, uma das maiores do esporte olímpico do Brasil. Nos Jogos de Tóquio-2020, os atletas do país brilharam e trouxeram para casa 21 medalhas — sete de ouro, seis de prata e oito de bronze. A marca rendeu o 12º lugar no quadro de conquistas. O desempenho é o melhor da história. Ontem, no Teatro Tobias Barreto, em Aracaju, o Prêmio Brasil Olímpico, organizado pelo Comitê Olímpíco do Brasil (COB), honrou os atletas que brilharam representando as cores brasileiras em uma noite repleta de glamour.

A glória máxima foi destinada à ginasta Rebeca Andrade, ouro no salto e prata no individual geral, e ao canoísta Isaquias Queiroz, ouro na canoagem C-1 1.000m. Os dois medalhistas no Japão foram eleitos esportistas do ano pelos jurados do COB. Rebeca ganhou pela primeira vez. Isaquias faturou o tetra no Prêmio Brasil Olímpico. A escolha dos vencedores foi feita por um colégio eleitoral formado por atletas, ex-atletas, dirigentes, jornalistas, patrocinadores e nomes ligados ao esporte.

"Primeiramente, gostaria de agradecer a Deus. Esse momento está sendo muito importante para mim. Esse ano realizei todos os meus sonhos e objetivos. O COB, o Flamengo (clube de Rebeca) e todos que foram presentes na minha vida. Está sendo muito incrível. Acreditar nos sonhos faz a diferença. Esse prêmio não é só meu. Todos somos atletas do ano. Tenho muito orgulho da nossa história", comemorou a ginasta.

Em meio a agradecimentos aos técnicos (Jesús Morlán, que morreu em 2018, e Lauro Pinda, atual treinador do canoísta) e equipe de apoio durante a preparação para Tóquio-2020, Isaquias, comemorou a nova conquista pessoal em meio às dificuldades impostas pela pandemia. "Agradecer a todos do Brasil pelo carinho. Toda a Bahia. Muito obrigado pelo carinho. Por acreditarem no meu talento. Sou muito grato por representar o Flamengo também. Espero chegar a Paris e ganhar mais medalhas para o Brasil."

O prêmio Atleta da Torcida ficou nas mãos da jogadora de vôlei Fernanda Garay. A premiação é definida por meio do voto popular. Prata com a Seleção Feminina de Vôlei, ela recebeu mais de 400 mil votos. "Toda essa galera votou porque achou que eu merecia. Então, tem um valor ainda mais especial. Isso só demonstra que o caminho foi traçado de forma correta e com muita dedicação", agradeceu. Competidores de outras 51 modalidades olímpicas receberam premiações individuais no evento promovido pelo COB.

Reconhecimento

Medalhista mais jovem da história do Brasil com a prata conquistada no skate street feminino em Tóquio, Rayssa Leal também brilhou. A fadinha ganhou o Prêmio Inspire, destinado a coroar a atleta com a mais bela trajetória da temporada. Ausente devido a compromissos profissionais, a maranhense agradeceu em um vídeo. "Espero continuar inspirando outras pessoas a acreditar. Que possamos permitir que muitas mulheres possam praticar esporte e, assim como eu, ser uma atleta olímpica", destacou.

Os técnicos responsáveis pela preparação dos atletas também foram reverenciados no Prêmio Brasil Olímpico. Neste ano, seis campeões ganharam a premiação de melhores técnicos: André Jardine, do futebol; Fernando Possenti, maratonas aquáticas; Francisco Porath, ginástica artística; Javier Torres, vela; Lauro Souza, canoagem, e Mateus Alves, boxe. "Compramos a missão com o coração e a alma. É bastante gente que trabalha para a gente conseguir chegar", agradeceu Jardine.

* O repórter viajou a
convite do Comitê
Olímpico do Brasil (COB)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE