CANDANGÃO

Gama apresenta caras novas para temporada

Danilo Queiroz
postado em 21/12/2021 00:01
 (crédito: Danilo Queiroz/CB/D.A Press)
(crédito: Danilo Queiroz/CB/D.A Press)

No dia em que comemorou 23 anos da conquista da Série B do Campeonato Brasileiro de 1998, o Gama vislumbrou um novo recomeço. Após uma temporada 2021 abaixo da expectativa, quando não foi longe nos campeonatos que disputou e acabou com calendário resumido ao Campeonato Candango em 2022, o time alviverde se reapresentou ontem, no Centro de Treinamento Ninho do Periquito, com a missão de sacudir a poeira e iniciar os trabalhos com meta de voltar ao cenário nacional em 2023.

Liderado pelo recém-chegado técnico Jonilson Veloso, o grupo de 29 jogadores teve o primeiro contato com o clube. A maioria dos nomes, com algumas exceções de atletas oriundos das categorias de base do alviverde, chegaram ao Gama pouco conhecidos da torcida. Alguns torcedores também estiveram no CT do clube para dar as boas-vindas aos novos nomes que os representaram em campo.

Nas conversas inicias com o elenco, o presidente do Gama, Weber Magalhães, destacou a grandeza do clube e colocou como meta para o ano um retorno aos torneios nacionais em 2022. "Todo mundo estava dizendo que o Gama estava complicado e não se apresentaria. Mas, graças a Deus, foi feito um trabalho para vocês estarem aqui e, daqui para frente, o trabalho vai ser maior ainda", destacou o presidente.

Recém-chegado ao clube, o técnico Jonilson Veloso destacou ter confiança no plantel montado para o Campeonato Candango de 2022. "Vamos treinar até o limite para chegarmos forte na estreia da competição. A gente sabe que cada dia temos que aproveitar ao máximo", pontuou o treinador, lembrando da estreia da equipe, em 22 de janeiro, diante do Ceilândia.

Uma das maiores dores de cabeça do Gama para a temporada que se aproxima diz respeito ao local onde o clube irá atuar como mandante durante a disputa do Candangão. Sem o Bezerrão, ainda indisponível devido ao estado do gramado após o uso das dependências para a montagem de um hospital de campanha de combate à pandemia, o clube procura outras praças para atuar.

Segundo Weber Magalhães, o uso do Bezerrão em 2022 é improvável e a diretoria. Uma das opções é o Estádio Nacional Mané Garrincha, gerido pela concessionária privada Arena BSB. "Ainda não definimos. Estamos vendo outras perspectivas. O hospital (de campanha instalado no campo) ainda não saiu. Ainda tem que fazer todo um gramado novo e a luta vai ser grande", explicou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE