"Ninguém quer comprar"

Em entrevista exclusiva ao Correio na capital, o maior ídolo da história do Flamengo critica a dificuldade para assistir a um jogo do Brasileirão no exterior, detona o calendário da CBF e cita o caso de Gabigol — que só entrou em campo na décima rodada

Samanta Sallum
postado em 21/12/2021 00:01
 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Recém-chegado ao Brasil da sua última temporada no Japão, Arthur Antunes Coimbra, o Zico, fez, ontem, uma passagem relâmpago por Brasília. Em entrevista exclusiva ao Correio Braziliense, criticou o que chamou de "desorganização" da CBF por não interromper o Campeonato Brasileiro nas Eliminatórias para a Copa do Mundo. Segundo o craque, os times nacionais são muito prejudicados por terem de entrar em campo sem os titulares liberados para as seleções sul-americanas. "Todos os campeonatos no mundo inteiro param, não tem jogo, só o Brasil continua. Enquanto for assim, a CBF prejudica o futebol brasileiro", disparou.

O ex-jogador cita, como exemplo disso, o efeito no desempenho do Flamengo. "Você não pode ter um Flamengo que investe não sei quantos milhões para comprar jogadores e o jogador principal do Flamengo na 10ª rodada ainda não tinha jogado, estava servindo à Seleção. Isso não acontece na Inglaterra, na Itália, na Alemanha, por isso, eles estão na frente da gente", apontou, referindo-se a Gabriel Barbosa.

Zico lamentou que, na maior parte do mundo, ninguém mais adquire o Campeonato Brasileiro. "Há uma dificuldade enorme para assistir. Seja em pay-per-view, SKY, ninguém quer comprar, porque é essa bagunça danada".

Curtir os netos é a prioridade agora de Zico. Aos 68 anos, disse que se aposentou da atuação profissional no futebol depois de concluir o trabalho há um mês como diretor técnico do Kashima Antlers, no Japão. Descarta assumir qualquer função em algum clube. "Agora eu quero ter tempo para ser avô", disse ele, que tem nove netos.

O Galinho de Quintino esteve em Brasília para uma reunião no Sebrae-DF, como convidado especial do superintendente regional da entidade, Valdir Oliveira. Zico vai participar de um projeto na capital federal voltado a alunos da rede pública sobre educação empreendedora. "Aceitei a parceria por conhecer há muitos anos o trabalho sério do Valdir e do Sebrae". Eterno flamenguista de coração, ele permaneceu poucas horas em Brasília, e retornou ontem ao Rio de Janeiro. Mas volta em breve para começar o novo projeto.

Copa

Perguntado sobre quais são os nomes que se destacam atualmente no futebol brasileiro, disse que Neymar ainda reina. Mas que a revelação e grande promessa é Vinicius Junior. Sobre as chances de o Brasil ganhar a Copa de 2022, lembrou que o Brasil é sempre uma caixinha de surpresas. "Você pode estar em um péssimo momento de administração, de tudo, e chegar lá e ganhar a Copa do Mundo, porque depende dos jogadores dentro do campo".

Zico se diz meio decepcionado com a política. "O problema do Brasil é a descontinuidade administrativa. Fiz parcerias para levar o esporte e a educação a crianças e jovens com prefeituras que, ao mudarem de gestão, foram interrompidas por causa de vaidades políticas", lamentou.

O ex-jogador rememorou o período em que foi secretário nacional do Esporte no governo de Fernando Collor de Mello. Recordou que pediu demissão depois de ver seus projetos travados. Criou a Lei Zico, que modernizaria a legislação esportiva do país e reduziria o poder dos clubes na relação com os jogadores. A medida desagradou políticos que apoiavam o presidente Collor, e o projeto foi arquivado. Decepcionado, entregou o cargo.

Ele lembrou que já teve 60 mil alunos nas escolinhas de futebol. Mas está empolgado com o novo projeto no Distrito Federal. "Eu morei no subúrbio do Rio de Janeiro. Eu fiz o primário e o ginásio na escola pública, fazendo concurso. E isso (estudo) fez muita diferença na minha vida. Não deixei de fazer faculdade porque estava na Seleção, continuei estudando", contou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE