O mínimo valeu muito!

Danilo Queiroz
postado em 22/03/2022 00:01
 (crédito: Mailson Santana/Fluminense FC)
(crédito: Mailson Santana/Fluminense FC)

O Fluminense esteve longe de ser efetivo, mas conseguiu sacudir a poeira da eliminação precoce na Libertadores diante do Botafogo, um rival com um histórico recente de alegrias. Ontem, no Nilton Santos, alvinegros e tricolores sofreram com erros técnicos na hora de criar as jogadas ofensivas e fizeram uma partida com diversos ingredientes para uma igualdade sem gols. Porém, o time das Laranjeiras contou com um ataque eficiente para vencer, por 1 x 0, e aumentar a vantagem em busca de um lugar na final do Campeonato Carioca.

De ressaca pelo trauma continental, o Flu fez muito pouco em campo. Longe de ser superior, o Botafogo foi quem criou as melhores jogadas, principalmente no segundo tempo. Porém, o alvinegro pecou bastante nas conclusões. O tricolor acertou uma com Jhon Arias, o suficiente para ampliar a vantagem pela terceira final estadual consecutiva. Para virar, o Botafogo precisará vencer por dois gols de diferença, domingo, no Maracanã, às 16h, pois o rival tem a vantagem de empatar na soma dos 180 minutos de jogo para enfrentar o Flamengo pelo título.

Apesar da disposição demonstrada pelos dois times, o primeiro tempo foi sofrível com um baixo nível técnico e poucas chances concretas de bola na rede. Jogando com a tranquilidade de ter o regulamento a seu favor pelo título da Taça Guanabara — a primeira fase do Carioca —, o Fluminense teve mais posse de bola, mas deu o primeiro chute na direção do gol somente aos 31 minutos. Com a necessidade de marcar gols para ficar em pé de igualdade com o tricolor na disputa pela final, Botafogo, por sua vez, chegou um pouco mais. Entretanto, o Glorioso não foi incisivo de forma suficiente para sair na frente diante de sua torcida no Nilton Santos.

O jogo protocolar deixou as duas torcidas insatisfeitas e o Botafogo tentou mudar a postura aos três minutos do segundo tempo. Matheus Nascimento ficou com a sobra de bola, mas chutou para fora. O Flu abusava bastante dos erros de passe e não conseguia criar. Mais presente no ataque, o Glorioso sofria com os erros de definição. Com 23, Erison cabeceou forte e Marcos Felipe fez grande defesa. Aos 28, Diego Loureiro brilhou em chute de Cano. O goleiro alvinegro se destacou de novo após finalização de esquerda de Matheus Martins. Aos 35, Yago Felipe deu passe na medida para Arias não desperdiçar. O lance murchou o alvinegro, que não conseguiu correr atrás do marcador e terá de tentar reverter no Maracanã.

Recorde tricolor

Longe do brilhantismo, o Flu não esteve nem perto dos seus melhores momentos na temporada. Porém, conseguiu o objetivo de ampliar a vantagem pela final e uma hegemonia recente com clássicos. A vitória ainda ampliou a freguesia do Botafogo: agora, são 10 partidas sem derrotas do tricolor. O time das Laranjeiras acumulou seis vitórias consecutivas sobre os rivais cariocas e bateu uma marca de 1957.

Autor da assistência para Arias, Yago Felipe viu o clássico como um meio de esquecer a Libertadores. "Dá para voltar a autoestima. Sofremos muito. Eu dormi mal nos últimos dias, pois sei da importância da competição para nós, mas futebol tem dessas coisas. A gente não pode lamentar muito. Temos jogos importantes e o ano está só começando. É continuar trabalhando para as coisas voltarem a dar certo", destacou Yago Felipe.

Do lado alvinegro, o tom foi de lamentação e planos para o segundo jogo. "Um jogo como esse, equilibrado, quando você não consegue sair na frente, o próprio adversário acaba ajustando e melhorando no jogo. Um clássico é assim. Valeu pela postura dos atletas. Vamos preparar e descansar os atletas para criar uma estratégia. Saber que o resultado atrapalha, mas temos condições de tentar superar", avaliou o técnico Lúcio Flávio.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE