JUDÔ

Um desafio de gente grande

Joia brasiliense, Bianca Reis luta por medalha no Sul-Americano da Juventude, hoje, em Rosário, numa categoria superior

CECILIA SÓSTER
postado em 04/05/2022 00:01

A judoca brasiliense Bianca Reis, 17 anos, é uma das representantes do Brasil no judô nos Jogos Sul-Americanos da Juventude Rosário-2022, na Argentina. A competição é voltada para atletas da classe Sub-18. No primeiro dia do evento, a equipe brasileira estreou com duas medalhas de ouro e uma de prata.

No segundo dia de competições do judô, Bianca Reis, jovem promessa do Brasil para os Jogos Olímpicos de Paris-2024 ou Los Angeles-2028 entra no tatame com um grande desafio: lutar em uma categoria acima. No mês passado, ela retornou ao DF com medalhas douradas no pescoço nas categorias Sub-18 e Sub-21 do Pan-Americano de Judô, em Lima, no Peru, nas categorias individual e por equipe.

Diferentemente dos Jogos Olímpicos, cujo programa no judô é formado por 14 categorias mais competição por equipes mistas, em Rosário são apenas quatro femininas e quatro masculinas. Bianca Reis compete até 57kg. Em Rosário, lutará na classe até 63kg.

Em entrevista ao Correio, Bianca Reis falou sobre o desafio de enfrentar adversárias de uma categoria acima e dos próximos passos rumo ao sonho olímpico. "Estou muito feliz. Jogos Olímpicos e Sul-Americano são bem parecidos. A questão de nível muda muito, o nível de dificuldade no Sul-Americano é menor, mas são várias modalidades juntas. Tem a questão de viajar para outro país, ganhar uniforme, isso é muito bom", conta a atleta. Moradora do Jardim Botânico, ela treina na Academia Corpo Arte, no Guará.

"A questão de eu estar em uma categoria acima (63kg) é, sim, um desafio. Nunca lutei nela. Estou um pouquinho leve em relação às outras meninas. Conheço algumas de vista, de ter encontrado em outras competições. Tem uma menina que também é de 57kg, uma peruana. Inclusive lutei contra ela no Pan-Americano, em Lima, Tenho aquele friozinho na barriga antes de qualquer competição, mas estou confiante. Acho, sim, que eu posso voltar com a medalha de ouro para casa", afirmou.

Bianca Reis está concentrada no Sul-Americano, mas não perde o foco nas próximas competições. Ela participará do Mundial Gymnasiade, na França, de 14 a 22 de maio, e depois de dois circuitos europeus: o Sub-18 em Coimbra, Portugal, e o Sub-21, na Áustria. "Tenho boa expectativa. Eu não tive mudança de planejamento no treinamento de uma competição para a outra. Apenas reduzo na última semana para evitar o risco de lesão".

A possibilidade de ir aos Jogos Olímpicos de Paris-2024 é tratada por Bianca com moderação. "É outro nível. Estou competindo no Sub-18 e no Sub-21, mas para a Olimpíada, é adulto, sênior, como a gente chama. As medalhas que estou ganhando agregam muito à minha carreira, mas para ir à França, eu preciso de resultados na categoria adulta. Participei de competições no ano passado, mas não tive pontuação suficiente neste ano no adulto. Vou continuar tentando, mas é diferente. As minhas medalhas não contam na corrida para 2024. Mas eu vou tentar, sim", reforça.

No primeiro dia de combates em Rosário, na Argentina, Thayssa Assis (44kg), Agatha Benedicto (52kg), Marcus Ramos (55kg) e Ernane Neves (66kg) representaram o Brasil na competição. Ernane e Agatha chegaram ao topo do pódio e garantiram dois ouros. Marcus garantiu a medalha de prata.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE