Escola pública do DF inova e realiza ‘olimpíada virtual’

Para despertar o interesse dos alunos, professores usam a criatividade para unir o lúdico ao didático

Bruna Yamaguti*
postado em 18/08/2020 18:01 / atualizado em 18/08/2020 18:01
 (foto: Reprodução/Google Maps)
(foto: Reprodução/Google Maps)

A pandemia do novo coronavírus fez com que escolas de todo o país precisassem ser fechadas para preservar a saúde de alunos e funcionários. Após mais de 150 dias de quarentena, e em meio à incerteza sobre o retorno às atividades presenciais, estudantes e professores tentam se adaptar às novas rotinas virtuais e se reinventam a cada dia para dar conta do ‘novo normal’. Neste cenário, uma escola pública aqui do DF se destacou ao trazer uma versão diferenciada das tradicionais olimpíadas escolares.

Os servidores do Centro de Ensino Fundamental 12 de Taguatinga (CEF 12) usaram a criatividade para reimaginar um evento tão querido pelos alunos, mas que depende do contato humano para acontecer. Com várias modalidades de esporte, desde o vôlei até o futebol, os jogos interclasse são geralmente aguardados pelos estudantes com muita ansiedade mas, desta vez, eles irão acontecer de uma forma inédita: virtualmente.

“Queremos incentivar a participação dos alunos. Temos certeza que não será da forma como foi nos anos anteriores, porque a prática de esportes sempre os motivava muito. Agora é cada um na sua casa, aplicando os conhecimentos adquiridos de forma teórica, mas como jovens gostam de videogame, acredito que o novo formato vai chamar a atenção deles”, explica a professora de Educação Física Keyla Coury, idealizadora do projeto.

O jogos, que começaram na segunda-feira (17/8), funcionam assim: cada dia da semana representa uma modalidade esportiva, sendo vôlei, basquete, handebol, futsal e queimada. Estudantes do 6º ao 9º poderão responder perguntas sobre as modalidades na plataforma Kahoot até as 23h de cada dia. Para cada ano, haverá uma turma vencedora, que levará como prêmio uma medalha de ouro e um lanche pago pela escola. Já as turmas que ficarem na segunda posição, ganharão medalha de prata e uma rodada de sorvete ou picolé, também financiada pela instituição.

“Os alunos pedem diversidade nas aulas e, devido à crise que vivemos, eles precisam de um elemento motivador a mais. Claro que não substitui o contato físico, mas vê-los se movimentando para estudar as modalidades ou interagindo entre si pelo chat já é muito gratificante”, conta a diretora do colégio, Alessandra Lopes Moreira. “Queremos promover a interação e inclusão de todos através da plataforma online, além de despertar o conhecimento pelas diversas modalidades esportivas trabalhadas no semestre”, completa.

O estudante Victor Hugo Silva, do 9º ano, conta como está sendo a experiência dos jogos on-line: “Estou aprendendo bastante, é divertido e não é difícil. Aprendemos de formas diferentes e podemos estudar a qualquer hora do dia, além de ser o necessário nessa situação que estamos”, relata.

Como eram as olimpíadas do CEF 12 antes da pandemia: evento foi reimaginado neste ano
Como eram as olimpíadas do CEF 12 antes da pandemia: evento foi reimaginado neste ano (foto: Arquivo Pessoal)

Ensino remoto, um desafio

Diante do cenário de isolamento social, muitos docentes e gestores de escolas Brasil afora se viram obrigados a enfrentar o inédito e desafiador processo de lecionar à distância. Segundo pesquisa realizada pelo Datafolha, 46% dos pais de alunos entrevistados declararam que os estudantes não estão motivados para fazer atividades escolares em casa.

Para o Supervisor Pedagógico do CEF 12, Moises Lucas dos Santos, o ensino remoto possibilitou a criação de novos artifícios para a aprendizagem, ao mesmo tempo que desnudou ainda mais as limitações do ensino público no país: “Trata-se de uma experiência repleta de contrastes, pois, ao mesmo tempo que temos a satisfação em inserir um aluno na plataforma, precisamos cuidar daqueles que, por diversos motivos, não têm acesso. Precisamos ser realistas e reconhecer que mesmo presencialmente, lidamos com uma diversidade expressiva de problemas e situações delicadas. As possibilidades de mediação mudaram, mas os problemas continuam os mesmos e, em alguns casos, ampliaram”.

As olimpíadas virtuais foram, então, uma forma encontrada para resgatar os estudantes do tédio e do estresse, e mantê-los ativos na rotina escolar. “É uma experiência única e como nunca passamos por tal situação, ainda não sabemos os resultados, mas acreditamos em uma possibilidade de aproximação entre os alunos, professores e a comunidade escolar como um todo, no sentido de nos ajudar a enfrentar essa situação que expõe ainda mais nossa realidade (escola pública)”, explica o supervisor.

*Estagiária sob supervisão de Fernando Jordão

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação