pesquisa

Pesquisa revela que busca ativa de alunos é prioridade das redes municipais

Realizada pela Undime, com apoio de Unicef e Itaú Social, o levantamento ouviu 3.355 secretarias de educação, que representam 60,2% do total de municípios do país e cerca de 13 milhões de estudantes

Malu Sousa*
postado em 22/07/2021 20:28 / atualizado em 22/07/2021 21:28
 (crédito: Iano Andrade/CB/D.A Press)
(crédito: Iano Andrade/CB/D.A Press)

Redes municipais de educação darão preferência a busca ativa de estudantes em 2021, revela pesquisa Realizada pela União Nacional dos Dirigentes municipais de Educação (Undime), com apoio de Unicef e Itaú Social, a pesquisa ouviu 3.355 redes, que representam 60,2% do total de municípios do País

A busca ativa de estudantes e o suporte para diretores escolares têm sido as principais ações realizadas pelas redes municipais de educação na oferta do ensino durante a pandemia. É o que aponta os resultados de estudo da União Undime, com apoio do Itaú Social e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), realizado entre os meses de junho e julho de 2021.

A pesquisa está na quinta fase de um ciclo de estudos realizado desde abril de 2020 e, desta vez, buscou entender como foi a transição dos anos letivos 2020-2021 e quais foram as estratégias de ensino adotadas ao longo de 2021. Tendo em vista a expectativa do retorno presencial de boa parte das escolas brasileiras para o segundo semestre de 2021, o levantamento aborda como está sendo planejado e quais os principais desafios das secretarias municipais de educação nesse momento.

“Desde o seu início o objetivo é entender a realidade da educação no contexto da pandemia e pensar em medidas para ajudar as redes a desenvolverem suas atividades da melhor forma”, conta o presidente da Undime Luiz Miguel Martins Garcia.

Das 3.355 redes respondentes, aproximadamente 60% consideram a busca ativa de estudantes em abandono ou risco de abandono escolar uma das prioridades das redes municipais de educação. Para 71,8%, a procura pelos alunos e alunas que não acompanham as atividades educacionais, desde o início da pandemia, tem sido realizada pela plataforma Busca Ativa Escolar.

Sobre o estudo, Garcia relata que a ideia é a partir das respostas obtidas, subsidiar a discussão e a implementação de programas e políticas públicas com o objetivo de auxiliar as redes municipais de educação. Dessa maneira, o presidente da Undime espera “possibilitar o retorno às aulas a todos os estudantes, desde que respeitada a autonomia dos entes federados, bem como as condições de saúde e segurança necessárias, salvaguardando os direitos de aprendizagem e a valorização da vida e saúde de profissionais da educação, estudantes, familiares e toda comunidade escolar”.

Busca Ativa Escolar

É uma estratégia do Unicef inspirada em boas experiências de alguns municípios e a intersetorialidade como fator fundamental no combate à exclusão escolar. OBusca Ativa Escolarpressupõe a participação conjunta de representantes da área de educação, da saúde, da assistência social e de planejamento do município que adere à metodologia.

Desenvolvida pelo Unicef e pela Undime, com o apoio do Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Congemas) e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), a estratégia objetiva dar suporte aos governos na identificação de crianças e adolescentes fora da escola, rematriculá-los e acompanhá-los para garantir a permanência do vínculo escolar.

*Estagiária sob a supervisão da subeditora Ana Luisa Araujo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação