Destaque

Dançarino da periferia de SP que virou questão do Enem diz estar 'lisonjeado'

A pergunta na prova de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias fazia referência a um texto publicado no jornal Correio Braziliense sobre a dança de um jovem da zona leste de SP

Vitor Tavares - Da BBC News Brasil em São Paulo
postado em 22/11/2021 23:52 / atualizado em 23/11/2021 16:20
Arquivo pessoal - O dançarino John Lennon da Silva hoje trabalha como gerente de vendas  -
Arquivo pessoal - O dançarino John Lennon da Silva hoje trabalha como gerente de vendas -
"A forma original de John Lennon da Silva reinterpretar a coreografia de 'A morte do cisne' demonstra que:"

Esse foi o enunciado de uma das 90 questões que mais de 2 milhões de estudantes brasileiros tiveram que responder no domingo, 21, no primeiro dia de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

A pergunta na prova de Linguagens, Códigos e Suas Tecnologias fazia referência a um texto publicado no Correio Braziliense sobre a dança de um jovem da zona leste de São Paulo que usou a street dance para recriar uma coreografia originalmente do balé clássico. E também foi uma das mais comentadas nas redes sociais.

Na época, em 2011, o vídeo da apresentação no programa "Se ela dança, eu danço", do SBT, viralizou na internet. Um dos vídeos publicados (entre dezenas de replicados) no YouTube tem mais de 2,3 milhões de visualizações.

No domingo, Lennon, hoje com 31 anos, estava trabalhando numa loja de produtos eletrônicos em São Paulo quando soube que sua arte havia se tornado questão da principal prova do país.

Foi uma prima de Goiás, onde nasceu, que o avisou: "Foi uma novidade para mim, faz tanto tempo do vídeo, 10 anos. Mas veio com uma certa carga emocional, porque foi uma lembrança boa, e está sendo. Me sinto super lisonjeado", disse o gerente de vendas à BBC News Brasil.

"A cultura sempre viveu e vive um contexto de incerteza. Acho interessante e curioso terem citado meu nome e a diversidade artística. A diversidade precisa ser respeitada, em todos os âmbitos", completou ao comentar as notícias de que o governo Bolsonaro tinha intenção de interferir na prova, para vetar alguns temas.

Lennon da Silva trabalhou até a noite do domingo e já estava no serviço no início da tarde desta segunda, 22. Não deu nem tempo de ver toda a repercussão sobre a prova.

Nas redes, muitos estudantes brincaram com o nome do dançarino, inspirado no integrante dos Beatles. A mesma brincadeira, inclusive, feita pelos jurados do programa televiso em 2011.

"Eu gosto muito dos memes, são muito criativos", disse mostrando uma montagem com o resto do cantor britânico.

Vida após o vídeo

Na época em que a participação no programa do SBT viralizou, Lennon da Silva teve um reconhecimento repentino do público. Além da qualidade da performance, o vídeo chamou atenção pela postura dos jurados, que, de início, julgaram a sua aparência.

Lennon da Silva
Arquivo pessoal
Lennon da Silva quer voltar a dançar

"Espero que seja boa porque o figurino achei nada a ver", comentou na época Lola Melnyck, bailarina ucraniana e jurada do programa. O jovem vestia camiseta estampada, calça preta e tênis com cadarço verde.

No rescaldo da apresentação, Lennon foi personagem de reportagens, participou de programas e chegou a ser contratado para ser garoto-propaganda da Reserva, uma grife de roupas para jovens abastados das grandes cidades brasileiras. "Teve um pico de eventos", lembra.

Ainda em 2012, em meio à repercussão do vídeo, Lennon da Silva decidiu parar de dançar profissionalmente, por motivos religiosos. Na época, chegou a dizer em entrevistas que, nos eventos que participava, havia "culto e idolatria a outras imagens que não Jesus". Mas ele mudou de ideia.

"Quando é jovem, a gente toma decisões precipitadas. Logo depois eu voltei à arte", lembra.

O dançarino fazia parte do grupo Amazing Break, com outros quatro colegas que participavam de um projeto num Centro Educacional Unificado, o CEU de São Rafael, na zona leste de São Paulo. Foi ali que Lennon da Silva foi introduzido às apresentações clássicas de dança, como "A morte do cisne", pelo bailarino Luís Ferron.

"Ele me deu um vídeo da Anna Pavlova [bailarina russa] dançando e falou: 'Pira na trilha, não pira na mulher'. Vi aqueles movimentos, comecei a treinar e deu certo", disse Lennon em entrevista à Folha de São Paulo em 2011.

A famosa obra clássica faz parte de O Carnaval dos Animais, peça escrita pelo compositor francês Camille Saint-Saëns em 1886, e coreografada pelo russo Mikhail Fokine.

Na releitura, Lennon da Silva levou sua experiência da street dance, mais especificamente o estilo popping, que é caracterizado pela técnica de rapidamente contrair e relaxar os músculos para causar um empurrão no corpo.

Em 2018, Lennon deixou de dançar profissionalmente após. Entre os fatores que influenciaram a decisão, estava a questão financeira.

"Mas pretendo voltar a dançar sim. Onde eu vou, eu vejo e sinto a arte em mim, nos outros, no mundo, na linguagem e nos corpos", comentou.

Sobre a pergunta do Enem, Lennon da Silva diz que, para ele, a resposta seria a letra B - a mesma apontada como gabarito extraoficial por portais de notícias como G1 e UOL.

Nela, está escrito: "A criação artística é beneficiada pelo encontro de modelos oriundos de diferentes realidades socioculturais".


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação