UNB

DCE cobra apoio do MEC para inclusão digital dos alunos da UnB

Ministério esclareceu que dará apoio nesse sentido. Entidade estudantil questiona a falta de agilidade do ministério em dar auxílios para os estudantes

Mateus Salomão*
postado em 26/08/2020 22:05 / atualizado em 26/08/2020 22:08
DCE não considera as ações do ministério da Educação suficientes durante a pandemia -  (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
DCE não considera as ações do ministério da Educação suficientes durante a pandemia - (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Em nota enviada à imprensa, o Diretório Central dos Estudantes Honestino Guimarães da Universidade de Brasília (DCE/UnB) cobrou do Ministério da Educação (MEC) a inclusão digital de estudantes. Segundo a nota do DCE, não haveria auxílio, como pacote de dados, para os alunos da universidade.

No entanto, a UnB e o MEC esclarecem que será dada ajuda a alunos da universidade carentes de inclusão digital, sim. O Diretório Central dos Estudantes da Universidade de Brasília não estava atualizado com as mais recentes ações do Ministério da Educação para apoiar alunos de instituições de ensino federais durante a pandemia. Por isso, acreditou que estudantes do Distrito Federal não estariam incluídos em programa que dará pacote de internet a universitários em situação de vulnerabilidade social.

No entanto, o ministério e a universidade esclareceram à entidade estudantil, dizendo que estudantes do DF estão, sim, incluídos na ação. O apoio do MEC é feito em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para dar acesso a internet a estudantes em vulnerabilidade por meio do fornecimento de pacotes de internet 4G. O serviço será colocado em prática pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP).

Confusão de informações

Segundo afirmava a nota do DCE, o Distrito Federal não estaria incluso na área de cobertura do contrato firmado pelo MEC. Contatado pelo Eu, Estudante, o coordenador do DCE/UnB, Bruno Zaidan, explicou que a informação de que a área de cobertura havia sido ampliada para incluir o DF ainda não era de conhecimento do diretório quando a nota foi enviada. Bruno, porém, reforça críticas à ação do MEC em meio à pandemia.

O coordenador informa que somente na segunda chamada o edital contemplou o Distrito Federal. Ele ressalta a demora na ação do ministério e diz que há ainda preocupação sobre se o quantitativo oferecido será suficiente para suprir a demanda de todos os estudantes que precisam. Além disso, há receio com relação à velocidade da internet que será disponibilizada.

“Nós sabemos que (o MEC) tem tido pouca disposição de apoiar as universidades porque, inclusive, passa a maior parte do tempo atacando as universidades em vez de pensar em como ajudar, como resolver os problemas, como ampliar a assistência estudantil”, pontua o estudante. “Está deixando um pouco os estudantes na mão.”

Posição da UnB

A Universidade de Brasília informa que “a internet oferecida pelo MEC via RNP será complementar, para dar mais velocidade de navegação aos estudantes. O Ministério lançou o projeto na última sexta-feira, com abrangência nacional. A UnB está preparando o termo de adesão à iniciativa. Em seguida, vai selecionar os estudantes que receberão esse reforço. Estão previstos cerca de 2.700 chips para a universidade, a depender da demanda.”

Na mesma nota, a universidade reforça que lançou dois editais de inclusão digital, que previam auxílio para a compra de computador e de chips de acesso à internet. A UnB Informa que mais de 3 mil estudantes foram contemplados, mas que a UnB está finalizando o repasse dos auxílios. “A Diretoria de Desenvolvimento Social do Decanato de Assuntos Comunitários não recebeu, até o momento, reclamações sobre a qualidade do acesso à internet”, pontua.

O MEC

Por meio de nota, o Ministério da Educação informou que “as universidades federais possuem autonomia administrativa e didático-pedagógicas. No entanto, o MEC se mobilizou para atender os estudantes em vulnerabilidade durante a pandemia.” O comunicado faz referência à parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa.

Aulas na UnB

O período de adaptação de alunos e docentes da UnB começou em 17 de agosto e deve durar até 4 de setembro. Somente estão autorizadas atividades que a comunidade acadêmica possa realizar de casa. Como medida para compensar a falta de equipamentos e internet de uma parcela de alunos, a universidade lançou editais de inclusão digital.

Alunos não contemplados no edital receberam o auxílio por meio do empréstimo de equipamentos. A quantia do edital para compra de equipamentos foi de R$ 1.500 e foi disponibilizada ajuda no valor de R$ 160 para compra de pacote de internet durante o período do semestre.

 
*Estagiário sob a supervisão da editora Ana Sá

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação