CORONAVÍRUS

Organização cria programa de bolsas para pesquisas sobre a Covid-19

Dimensions Sciences foi fundada pela executiva Márcia Fournier para dar oportunidade a estudantes brasileiros de colaborar com iniciativas do coronavírus

Eu
Estudante
postado em 04/09/2020 19:27 / atualizado em 04/09/2020 19:33
Sete pesquisadores do Brasil todo foram contemplados com bolsas para contribuíram nos avanços da Covid-19 -  (foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde)
Sete pesquisadores do Brasil todo foram contemplados com bolsas para contribuíram nos avanços da Covid-19 - (foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde)

Em decorrência dos avanços da pandemia, a organização Dimensions Sciences se mobilizou para criar um programa de bolsas de estudo para pesquisadores que estão na linha de frente em combate ao coronavírus. Fundada em novembro de 2019 pela pesquisadora e executiva brasileira Márcia Fournier, que vive há 20 anos nos Estados Unidos, a organização criou programa para auxiliar nos avanços, além de promover oportunidades a novos pesquisadores.

A organização sem fins lucrativos surgiu com a missão de promover a inclusão de jovens brasileiros nas áreas de ciência e tecnologia em unidades no exterior, mas devido ao isolamento a primeira versão do projeto foi feita no Brasil. Empresários, pesquisadores e profissionais da área da saúde que fazem parte do conselho da Dimensions Sciences começaram a planejar uma rede de apoio em abril deste ano para os profissionais dedicados aos estudos sobre a Covid-19. Futuramente, caso o programa dê resultados, a organização pensa em expandir a oportunidade das bolsas para outros países.

O processo de seleção foi feito em um mês. Das 30 inscrições, sete pesquisadores brasileiros foram os escolhidos para receber uma bolsa de R$ 6.500 por três meses. O valor foi arrecadado por meio de doações de empresas e pessoas físicas. O principal apoiador financeiro é a Drummond Advisors, organização que atua na internacionalização de empresas, e oferece auxílio tributário e fiscal para a Dimensions Sciences e todos os sete cientistas brasileiros.

A avaliação contou com 21 juízes especialistas, entre eles pesquisadores acadêmicos, empreendedores e professores com experiência nas áreas de biologia molecular, biologia celular, virologia, bioinformática, epidemiologia, saúde pública, microbiologia, genética e medicamentos. Foram três fases ao todo: análise do candidato, mérito científico do projeto, impacto da pesquisa para pacientes do coronavírus, viabilidade e qualificações do pesquisador.

Os sete pesquisadores contemplados e que estão auxiliando nos avanços das pesquisas relacionadas à Covid-19 são:

Leonardo Schultz está desenvolvendo um teste para o coronavírus mais acessível na Unesp
Leonardo Schultz está desenvolvendo um teste para o coronavírus mais acessível na Unesp (foto: Arquivo Pessoal)

Leonardo Schultz, Universidade Estadual Paulista (UNESP), está desenvolvendo um teste PCR mais acessível;

Isabela Lemos, Universidade de Uberlândia (UFU), está desenvolvendo novo teste diagnóstico;

Lillian Russo, Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), está trabalhando com outros dois pesquisadores e três professores em uma pesquisa sobre 80 medicamentos já existentes e a eficácia no combate ao vírus;

Romulo Neris, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), está se dedicando nos estudos da Covid-19;

Juliana Gularte, está na linha de frente dos testes em pacientes com outros pesquisadores;

Gláucia Caruso, do Parque Tecnológico Supera da USP, está otimizando testes para pacientes;

Ítalo Castro, Universidade de São Paulo (USP), está descobrindo como bloquear a infecção.


Para saber mais sobre o programa, acesse o site do Dimensions Sciences.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação