FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Cursos on-line do Senai recebem 1 milhão de matrículas na pandemia

Instituição lançou diversos cursos profissionalizantes gratuitos em formato EAD. A capacitação profissional é vista como aliada da recolocação no mercado

Ana Lídia Araújo*
postado em 30/08/2020 15:17 / atualizado em 30/08/2020 15:18
Rafael Lucchesi, diretor-geral do Senai -  (foto: Jose Paulo Lacerda/CNI )
Rafael Lucchesi, diretor-geral do Senai - (foto: Jose Paulo Lacerda/CNI )

Em apenas três meses, cerca de 8,9 milhões de pessoas perderam o emprego. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no Brasil subiu para 13,3% entre maio e junho. Segundo especialistas, buscar se profissionalizar pode fazer a diferença na hora de conseguir ou não uma vaga de trabalho. Muitas pessoas também perceberam isso.

No Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), a busca por capacitação aumentou significativamente. Logo no início do isolamento social, a instituição disponibilizou, gratuitamente, diversos cursos no formato on-line por 90 dias. Ao todo, foram mais de 1 milhão de matrículas em cursos de aperfeiçoamento e requalificação profissional.

Para Rafael Lucchesi, diretor-geral do Senai, a demanda traduz a perspectiva de pessoas que buscam formação para se tornarem mais competitivas no mercado. “Isso vai desde quem perdeu o emprego até jovens que buscam um diferencial para se inserir no meio, ou pessoas que estão trabalhando e investem o tempo livre para melhorar seus currículos”, analisa ele, que é diretor de Educação e Tecnologia da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Além de tornar o currículo mais atraente, profissionais que estão no mercado buscam os cursos também para defender seus cargos. “Os processos produtivos estão se modernizando. Neste cenário, há a introdução de novas tecnologias que têm modificado a estrutura das empresas que estão dispostas a adotar novos padrões e modelos de negócios e, consequentementemente, de relações de trabalho”, comenta.

Os cursos mais buscados

O ranking dos 10 cursos mais buscados no Senai que, juntos, somaram mais de 708 mil matrículas desde março, chama a atenção. A demanda é alta para temas relacionados à saúde, à segurança do trabalho e, também, à inteligência emocional. “Acredito que isso vai ao encontro das discussões de legados dentro desta pandemia. O interesse demonstra a preocupação com as atuais questões sanitárias e socioemocionais”, diz Rafael Lucchesi.

Cursos com intensa relação com o setor industrial são altamente requisitados, assim como formações que envolvem a digitalização e a inteligência artificial. “Tudo isso é fortemente demandado pelo mercado de trabalho do futuro”, cita o diretor.

Por tempo limitado

Capacite-se de graça

O Senai lança, nesta semana, o curso de segurança cibernética aplicada à indústria 4.0. Originalmente, a formação custaria R$ 71,20, mas o estudo será gratuito pelos próximos 15 dias. Com 40 horas de duração e 100% a distância, o curso é autoinstrucional e ensina aos profissionais da indústria os principais riscos e cuidados que precisam ser tomados para evitar vulnerabilidades e ataques cibernéticos. O objetivo é estimular a cultura da segurança cibernética em todos os setores das empresas. As inscrições para o curso podem ser feitas no endereço virtual: loja.mundosenai.com.br.

Top 10

Saiba mais sobre os cursos do Senai mais procurados durante a pandemia

Reprodução
Reprodução (foto: Reprodução)

1º — Segurança do trabalho
120.487 matrículas
Conteúdo: trabalha questões básicas para prevenção de acidentes e segurança do trabalho, com o objetivo de construir uma mentalidade prevencionista

2º —Finanças pessoais
96.374 matrículas
Conteúdo: O objetivo é mostrar a importância do equilíbrio financeiro para obter mais qualidade de vida, tranquilidade e motivação

3º — Tecnologia da informação e comunicação
84.843 matrículas
Conteúdo: apresenta os principais temas relacionados à infraestrutura de TI, serviços de redes, software, hardware, normas e padrões técnicos

4º — Noções básicas de mecânica automotiva
73.513 matrículas
Conteúdo: trabalha com os principais componentes da mecânica automotiva e ensina como funcionam os automóveis, conforme forças físicas envolvidas e mecanismos por trás do funcionamento dos veículos automotores

5º — Desvendando a indústria 4.0
68.167 matrículas
Conteúdo: apresenta a indústria 4.0, propiciando ao aluno a introdução ao tema e a obtenção da base conceitual das tecnologias habilitadoras que suportam o meio

6º — Fundamentos de logística
62.757 matrículas
Conteúdo: ensina como administrar o patrimônio e os recursos de uma empresa

7º — Lógica de programação
59.405 matrículas
Conteúdo: expõe conceitos básicos sobre lógica de programação, tipos de dados, estruturas de controle e repetição e exemplos do uso de variáveis homogêneas e heterogêneas

8º — Educação ambiental
49.859 matrículas
Conteúdo: demonstra questões básicas da educação ambiental, de forma a criar uma mentalidade prevencionista, com relação ao meio ambiente

9º — Metrologia
46.954 matrículas
Conteúdo: proporciona conhecimento básico necessário à aplicação e interpretação das medidas na área da mecânica

10º — Empreendedorismo
45.833 matrículas
Conteúdo: oferece conhecimentos sobre o ato de criação de novos empreendimentos nos mais diversos setores

Formação complementar

Eryk de Moraes Dias, aluno do curso de supervisor inovador
Eryk de Moraes Dias, aluno do curso de supervisor inovador (foto: Arquivo Pessoal)

Entre as mais de 1 milhão de matrículas em cursos do Senai na pandemia, está a de Eryk de Moraes Dias, 26 anos. Morador da Samambaia, o estudante de administração da Universidade Brasília (UnB) escolheu o curso de supervisor inovador por estar relacionado à área de formação dele. “É uma capacitação em que desenvolvemos competências não só para o exercício da função de administrador, mas, também, aprendemos sobre liderança, gestão de pessoas, criatividade, organização e gestão do tempo”, relata.

Eryck trabalha como assistente administrativo em uma empresa particular. Durante a pandemia, a jornada de trabalho dele foi reduzida de 40 para 30 horas semanais. Além disso, as aulas da UnB ficaram suspensas de março até a o início da semana passada. O tempo livre facilitou a oportunidade de fazer cursos e se dedicar a projetos voluntários. O jovem acredita que a formação extra no Senai poderá ajudar a abrir novas chances, seja na empresa onde trabalha, seja em outros lugares. “O Senai é uma instituição dereferência. Então, o curso valoriza muito o currículo”, justifica.

Em busca de novos caminhos

Gabriel Lima Gonçalves, eletricista
Gabriel Lima Gonçalves, eletricista (foto: Arquivo Pessoal)

Desempregado desde abril, o eletricista Gabriel Lima Gonçalves, 29 anos, resolveu dedicar os últimos tempos a cursos on-line. Aluno do segundo semestre de engenharia elétrica no Centro Universitário Eniac, em Guarulhos, ele não se limitou a fazer apenas umas das aulas ofertadas pelo Senai, mas várias, e resolveu se inscrever em modalidades que envolvem novas tecnologias, como inteligência artificial e programação móvel para IoT (internet of things, em português, internet das coisas)

“Aproveitei esse tempo livre para fazer alguns cursos que pudessem me ajudar a encontrar uma nova vaga e me recolocar no mercado de trabalho”, conta. No entanto, para Gabriel, o efeito positivo do curso pode ir além da reinserção. “Qualquer conhecimento abre espaço para novas ideias. Isso nos ajuda a olhar o mundo com outras perspectivas”, diz.

Segundo o eletricista, qualquer formação é útil não só para o mercado de trabalho, mas, também, para a vida. Com isso, novas oportunidades são abertas, assim como outros caminhos podem aparecer. Quem sabe abrir o próprio negócio, por exemplo? “Devemos estar abertos para tudo que ocorre ao nosso redor para que, de fato, tenhamos uma absorção completa do conteúdo que estamos aprendendo e consigamos colocar em prática no dia a dia”, reflete Gabriel.

 

*Estagiária sob a supervisão da subeditora Ana Paula Lisboa

 

 

 

 

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação