Hora de esperança e renovação

O réveillon é um momento marcante para que as pessoas estabeleçam planos e desafios. Neurocientista sugere que metas maiores sejam fragmentadas em pequenos objetivos

Paula Takahashi
postado em 29/12/2013 00:00
 (foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)
(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press)


Ao longo de 2013 a administradora Valéria Oliveira, de 51 anos, se dedicou a plantar os frutos que espera colher em 2014. Ela conta que, durante uma década, se recolheu em um verdadeiro casulo, que se resumia ao trabalho e à dedicação aos dois filhos. ;Durante 10 anos, vivi para a família e para a realização profissional. Acabei ficando parada todo esse tempo;, afirma. A reclusão transformou Valéria em uma pessoa que ela nunca imaginou ser. ;Era apática, parada, infeliz e introvertida;, descreve.

A mudança começou quando ela resolveu se abrir para um novo relacionamento, algo que antes nem sequer cogitava. ;Foi aí que começou a guinada. Percebi que era hora de mudar. Que não queria mais ser aquela Valéria.; Disposta a tomar as rédeas de sua vida, ela trocou de emprego e investiu na autoestima. ;Fiz uma plástica em outubro, que veio fechar com chave de ouro todo o processo pelo qual passei ao longo do ano;, afirma.

As mudanças no corpo tiveram reflexo profundo e revelaram uma mulher mais corajosa e confiante para fazer suas escolhas. Renovada por dentro e por fora, Valéria deposita grandes esperanças em 2014. ;Quero um ano diferente. Quero conhecer pessoas e lugares e viver tudo aquilo que não vivi esse tempo todo. Estou aberta a novas possibilidades e descobri que sou capaz de fazer o que quiser;, garante.

Situações diversas, como o início do relacionamento amoroso de Valéria, estimulam provocações íntimas. ;Pode ser um livro, um filme, uma fala ou uma cena cotidiana. Aquela experiência dá início a uma organização interna que impulsiona e dá coragem para que a pessoa tome iniciativa rumo à mudança. É uma força trazida pelo acontecimento;, explica a psicóloga Júlia Ramalho Pinto.

O réveillon é mais um desses momentos capazes de mexer com o conceito, as expectativas e mudar a visão das pessoas sobre a rotina. ;Existem esses outros eventos bem marcados, como a passagem de ano, a segunda-feira para a dieta, uma formatura. São términos bem definidos que permitem balanços e dão início a uma fase de planejamento;, observa Júlia.

Se nenhum outro acontecimento foi capaz de dar o empurrão esperado, por que não aproveitar o novo ano anunciado pela queima de fogos para tomar as atitudes necessárias? Muitos se aproveitam dessa circunstância. Não é por acaso que a época é marcada pelo estabelecimento de planos e desejos. Mas grandes viradas, como a de Valéria e da bióloga Camilla Abrahão, requerem conquistas diárias e persistência para seguir o caminho proposto.

UM PASSO DE CADA VEZ ;A área de prazer e recompensa do cérebro não funciona a longo prazo. Se em pouco tempo nada de realmente novo acontecer, todos aqueles desejos começam a ser descartados;, alerta Caroline Alencar, neurocientista do Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães. Para evitar que isso ocorra e que a euforia dê lugar à frustração, grandes metas devem ser fragmentadas em várias outros objetivos menores, realistas e fáceis de serem alcançados.

;A cada passo cumprido, a meta final é reforçada;, afirma a neurocientista. Para manter o constante estímulo ao hipotálamo, área que proporciona prazer e renova as esperanças, também é importante trabalhar o conceito de recompensa. ;Toda vez que uma etapa for superada, se presenteie. Pode ser uma coisa simples, como ir a um restaurante, mas é preciso celebrar de alguma forma;, aconselha Caroline. Diante disso, o hipotálamo passa a produzir serotonina, substância responsável por causar a sensação de bem-estar, fundamental para renovar a vontade de atingir os objetivos finais.

NO CAMINHO CERTO Ciente disso, Camilla já estabeleceu metas para 2014. ;Estou esperando a estabilização do peso para que possa ser submetida à cirurgia plástica para retirada do excesso de pele;, conta. Muito disciplinada, ela planeja se dedicar a esse objetivo durante o primeiro semestre do ano. Superada essa etapa, ela já programa o tão esperado mestrado em Natal, no Rio Grande do Norte. ;São coisas que antes não pensava que seriam possíveis. Agora já está praticamente encaminhada minha ida para o Nordeste em 2015;, conta.

O doutorado virá na sequência e, com isso, Camilla prevê pelo menos sete anos fora da casa dos pais. ;Até lá, 2014 será um ano de muito estudo. Vou aproveitar para conhecer a cidade onde devo morar e a estrutura do laboratório onde vou estudar;, antecipa. Planos que trazem novo brilho ao olhar de Camilla e revelam um novo universo que antes ela via passar pela janela do apartamento. ;Sempre passei o ano-novo em casa. Mas já falei com a minha mãe que nesta virada não vou aceitar fazer a mesma coisa. Quero algo diferente;, diz com a segurança de quem não vê a hora de ganhar o mundo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação