Expert em alta tecnologia

Empresa desenvolve e comercializa parques inteligentes de no-break desde a década de 1970

Augusto Pio
postado em 29/12/2013 00:00
 (foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)


Nascido em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, Aluísio Bartolomeu Pêgo de Oliveira se formou em engenharia elétrica pela UFMG aos 23 anos. Atualmente, ele é presidente e um dos fundadores da Engetron, empresa localizada em Contagem, na Região Metropolitana de BH, e uma das maiores fabricantes de no-breaks do país.

Fundada em 1976, a Engetron atua na pesquisa, desenvolvimento, fabricação, comercialização e manutenção de parques inteligentes de no-break e soluções de gerenciamento de alta tecnologia. ;Meus pais eram empreendedores, por isso a vontade de vencer e a perseverança foram decisivos;, comenta. ;Eu me interessei pelo ramo aos 13 anos, quando montei um laboratório de pesquisa em eletrônica em casa, onde desenvolvi um sensor de presença que acendia a luz do meu quarto quando alguém entrava. A partir daí, peguei gosto pelo desenvolvimento tecnológico, que foi decisivo para montar a empresa ao final do curso de engenharia;, lembra.

;Quando fazia o curso de engenharia elétrica, participei de um projeto de pesquisa que resultou no desenvolvimento de um produto voltado para o controle e redução de custos da energia consumida por indústrias. Esse produto foi um sucesso comercial, o que motivou a criação da Engetron com um de meus professores. Fundamos a empresa, desde o início, com o objetivo de oferecer confiabilidade e qualidade de energia para nossos clientes por meio da inovação tecnológica em um centro de pesquisa e desenvolvimento totalmente nacional, que evoluiu rapidamente ao longo dos anos.;

Ele acrescenta que, nos anos 1980, a empresa iniciou o uso de microprocessadores no Brasil. ;Tudo feito em equipe. Meu irmão e acionista da Engetron, Marcos Pêgo, desenvolveu a pesquisa. Ele é vice-presidente da empresa e é responsável pela área de tecnologia. Poucos anos depois, oferecemos os primeiros no-breaks inteligentes para o mercado brasileiro. Hoje, temos soluções sofisticadas para o controle e monitoramento de no-breaks, garantindo a disponibilidade da energia em diferentes aplicações.

Aluísio é casado e pai de três filhos e ainda não tem certeza se eles vão seguir seus passos. ;Não necessariamente. Gosto muito do que faço e acredito que cada um também deva investir em sua aptidão. No meu caso, se pudesse, faria tudo de novo. Não tem como ter experiência sem vivê-la, mas seria tão bom se pudéssemos reviver com experiência. O que faço é usar a experiência adquirida. Nessa área, o principal desafio é desenvolver a equipe, recrutar, selecionar e qualificar pessoas para atender uma necessidade crítica de fornecimento contínuo de energia. Imagine a responsabilidade em fornecer energia sem interrupção nos aeroportos, hospitais ou bancos;, ressalta Aluísio.

DIFERENCIAL Ele destaca que o sucesso da Engetron se dá pela busca constante do diferencial tecnológico traduzido em benefícios percebidos pelo cliente. ;É um fator que contribui muito para o sucesso. Além disso, a equipe coesa e uma gestão coerente e meticulosa completam o serviço. Não tem segredo, tem mesmo é muito trabalho. Em qualquer negócio, é fundamental atender bem o cliente. Neste ramo, devemos ter uma equipe experiente em desenvolvimento, produção e suporte ao cliente.;

Aluísio também é presidente do Centro de Atendimento e Inclusão Social (Cais). ;É a evolução da antiga Apae de Contagem. O Cais tem uma experiência maravilhosa na integração de deficientes na sociedade. São mais de 400 pessoas empregadas em empresas ou já estudando na escola regular. Ele tem uma metodologia exclusiva, reconhecida nacionalmente pelo MEC, que a adotou como diretriz. Além disso, a instituição treina profissionais de entidades similares, inclusive em outros estados. É uma felicidade ter o Cais em Contagem, pois tenho muito orgulho de poder desenvolver ações humanitárias proporcionadas pela presidência voluntária dessa instituição.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação