Encontros e desencontros

Estreia amanhã, na Globo, a novela Em família, com mais uma protagonista de nome Helena, como em outros tantos folhetins de Manoel Carlos. O autor diz que essa é sua última trama

Ana Clara Brant*
postado em 02/02/2014 00:00
 (foto: Fotos: João Miguel Júnior/Globo )
(foto: Fotos: João Miguel Júnior/Globo )

Rio de Janeiro ; Manoel Carlos garante que Em família, que estreia amanhã, às 21h, na Globo, é sua última novela. E por isso não deixa de retratar um pouco de tudo o que o autor já abordou em suas 12 tramas: amor entre primos, mãe e filha apaixonadas pelo mesmo homem, casal de lésbicas, problemas da terceira idade e alcoolismo. Tanto é que Maneco assegura que haverá várias referências a novelas antigas. E para tanto fecha o ciclo das personagens de nome Helena com a atriz Júlia Lemmertz, filha de Lilian Lemmertz, intérprete da primeira, em Baila comigo, em 1981.

;Das 12 novelas que escrevi, nove tiveram Helena como protagonista. A característica principal dessa personagem é a normalidade, a imperfeição humana. Ama, odeia, erra, mente, engana e é sempre capaz tanto de perdoar como de se vingar. Pertence à classe média e é mediana em tudo. E eu já queria fazer essa ponte entre a Júlia e Lilian havia algum tempo. A matriz de todas as Helenas é a Lilian. Então é uma dívida de amor que eu pago por meio da filha;, revela o autor.

Em família narra a história dos primos Helena (Júlia Lemmertz) e Laerte (Gabriel Braga Nunes) e suas famílias. Tudo começa em Goiás, se desenrola em três fases ; dos anos 1980 até 2014 ; e, claro, passa pelo Bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, além de Viena, na Áustria. Nessa trajetória, duas vidas estão unidas pelos mais fortes laços: o amor e a família. E também marcadas pelos mais duros sentimentos: ciúme, culpa e inveja.

Um dos protagonistas é Laerte, um jovem talentoso consumido por um amor que se torna uma obsessão pela prima, e que cresce cada vez que o amigo Virgílio se aproxima de Helena. Ela, uma adolescente que sabe que é amada e desejada e, talvez por isso, seja inconsequente em relação aos sentimentos do primo.

LEMBRANÇAS Na primeira fase, Helena será vivida por Bruna Marquezine, que acabou sendo conhecida justamente numa trama de Manoel Carlos, Mulheres apaixonadas, de 2003. ;Em família não existiria sem a Bruna. Pedi que a reservassem;, revelou o autor na coletiva de imprensa realizada semana passada no Projac. Na mesma coletiva, Bruna se emocionou bastante e disse que estava vivendo um dos momentos mais felizes da carreira.

;Desculpe esta choradeira, gente;, disse. ;É a síndrome da Salete (sua personagem em Mulheres apaixonadas). Mas quem apostou em mim foi o Maneco. Ele que me deu a primeira chance profissional. E agora ganho um presente em dobro porque, querendo ou não, além de ter a chance de fazer uma das Helenas, mesmo que na primeira fase, eu faço a filha dela, Luíza, na terceira;, completou.

Júlia Lemmertz também não segurou as lágrimas e contou que se lembra com carinho da mãe fazendo Baila comigo e que nunca a tinha visto tão plena e feliz profissionalmente. Júlia confessou que, no fundo, sempre teve vontade de interpretar uma das Helenas. ;Qualquer atriz tem vontade de fazer essa personagem. Mas guardei isso para mim. Não era uma coisa que eu ficava falando aos quatro ventos. E, quando o Maneco me chamou, fiquei em êxtase. O que é da gente é da gente. Não tem jeito;, frisou.

Além de Bruna Marquezine, Manoel Carlos promoveu outros reencontros com atores que despontaram em suas tramas, como Reynaldo Gianecchini, Vivianne Pasmanter e Vanessa Gerbelli. Sem falar nas estreias da cantora Manu Gavassi, Camila Camargo (filha de Zezé di Camargo) e Luana Marquezine (irmã de Bruna). Em família tem direção de núcleo de Jayme Monjardim e direção geral de Leonardo Nogueira.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação