Giro econômico

postado em 19/02/2014 00:00
comércio
Inflação e juros puxam
inadimplência em BH

O número de registros no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH) avançou 5,94% em janeiro frente a igual mês do ano passado. Inflação e a alta de juros foram os principais pontos que contribuíram para o crescimento da inadimplência, segundo a economista da CDL/BH, Ana Paula Bastos. ;A inflação em níveis mais elevados tem minado a capacidade de consumo e pagamento das famílias e o aumento dos juros dificulta a tomada de crédito, além de encarecer o crédito de risco;, explica. Na comparação com dezembro, entretanto, houve queda de 2,47% . No mês passado, a maioria dos incluídos no SPC da CDL/BH foi mulheres (58,92%). Por faixa etária, a liderança das inclusões (25,48%) ocorreu entre 30 a 39 anos e a minoria (9,18%) na faixa de maiores de 65 anos.

MAIOR ALTA DESDE 2010
Devolução de cheques sobe

A devolução de cheques por falta de fundos atingiu 2,11% em janeiro, o que representa 1,38 milhão dos 65,44 milhões de documentos emitidos no Brasil no período, informou ontem a Serasa Experian. Este é o maior nível de devoluções para um mês de janeiro desde 2010. Em dezembro, o índice foi de 1,91% e, em janeiro de 2013, houve 2,02% de devoluções. Segundo os economistas da Serasa Experian, o aumento da inadimplência com cheques no primeiro mês de 2014 é reflexo da dificuldade do consumidor em honrar seus compromissos financeiros típicos deste período em um ambiente de taxas de juros cada vez mais altas.

Noronha com desconto

Minas Gerais vai conhecer amanhã a campanha ;Mais Noronha;, que visa incentivar ainda mais a visita dos mineiros ao arquipélago. Segundo Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur), em 2013, houve aumento de 6,7% no fluxo de turistas na ilha, principalmente de Minas (30%) e São Paulo (18,7%). ;É um mercado promissor, que cresce a cada ano. No ano passado, foram cerca de 3.500 visitantes da região;, diz o presidente da Empetur, André Correia. A campanha incentiva o aumento do fluxo de visitantes na baixa estação ; de 10 de março a 10 de junho. Nesse período, pousadas, restaurantes e empresas de serviços de mergulho e passeios turísticos oferecem descontos de até 30%. O lançamento da ;Mais Noronha; será na Choperia Pinguim, às 18h30.

Cemig na Colômbia
A Cemig está em busca de parceiros para participar do processo de privatização da geradora de energia colombiana Isagen, em um negócio de mais de US$ 2 bilhões, segundo fontes próximas aos acionistas da empresa. Na segunda-feira, o governo da Colômbia inicia a segunda fase da venda da companhia e fontes do mercado financeiro dizem que a estatal mineira iniciou na semana passada uma sondagem com bancos de investimentos para assessorá-la no processo. O negócio envolve a compra de 56% da companhia colombiana que vale no total cerca de US$ 4,5 bilhões e tem capacidade de gerar mais de 2 mil MW de energia na Colômbia. Se concretizar a operação na Colômbia, a Cemig vai reiniciar seu processo de internacionalização que começou no Chile há quatro anos, por meio da compra de ativos de transmissão.
Importação de gás
O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, informou ontem que o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, que reúne as principais autoridades do governo para o setor, decidiu na última semana que irá importar gás e ligar a usina térmica de Uruguaiana. A medida faz parte de um esforço do governo para complementar a geração térmica no país, que vem auxiliando o atendimento da demanda enquanto o nível dos reservatórios segue baixo, por falta de chuvas. No ano passado, a usina também foi utilizada em situação semelhante, quase emergencial.

INDENIZAÇÃO

R$ 19,6 milhões

Valor que a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) foi condenada na Justiça a pagar em um caso de violação de patente a um engenheiro mecânico por dano material. O engenheiro desenvolveu uma ferramenta utilizada por usinas do setor na produção do alto forno de ferro-gusa. Segundo a defesa, as ferramentas foram utilizadas pela CSN sem autorização por quase 15 anos. Procurada, a CSN não quis comentar o caso.


l Condomínio 10% mais caro
A média de inadimplência no pagamento das taxas de condomínios em Belo Horizonte no ano passado foi de 10,33%. Os maiores índices foram registrados em fevereiro (11,48%) e dezembro (11,61%), de acordo com levantamento feito pela Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG). A entidade também pesquisou o reajustes nas taxas condominiais em 2013, com alta média de 10%. No entanto, alguns prédios chegaram a reajustar o valor em 30% para obter o equilíbrio financeiro.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação