Vamos chamar o lixeiro

fernando brant
postado em 19/02/2014 00:00

Quando a coisa aperta, dá vontade de ir para a Terra do Nunca com os netos. Fechar-me na sala e ouvir música que me leve ao mais profundo da emoção estética, que me embale para encarar, pois esquecer não dá, a barra pesada que nos envolve nesses momentos de violência, radicalismo e ausência de pensamento lúcido e lógico. Eu sou um homem comum e a maioria dos brasileiros também é. Queremos tranquilidade para levar a nossa vida em paz. Inventamos amigos, criamos família, trabalhamos, estudamos e não desejamos nada que não seja a serenidade para desfrutar de nossa humanidade. Não merecemos a insegurança que nos aflige a todo momento, em qualquer lugar em que estivermos.


A rua é nossa e não pode virar praça de guerra e morte. A rua é o espaço democrático do encontro. Extensão de nossa casa e essa tem de ser inviolável. Suas portas, é nosso direito, só se abrem para as pessoas de nosso afeto. Cada um de nós faz a sua parte para que o país ande e todos devem ser respeitados. A casa, a família e a rua são dos cidadãos e a contrapartida necessária nem sempre nos é dada. Saúde, educação, segurança e transporte são essenciais para uma vida digna.


Eu sei que não é só aqui, mas no Brasil a política está um lixo. Precisamos de ideias e ação, mas nossos representantes não estão à altura de nossos anseios, só pensam em manter poder e dinheiro. Dizem uns que têm uma ideologia que fará a todos iguais e felizes, mas a prática contraria todo esse discurso. Liberdade, fraternidade e democracia não os comovem. A máscara da preocupação social esconde o rosto de amantes de ditaduras. Outros não ocultam seus mesquinhos interesses patrimoniais, sua determinação em manter sua situação social, política e econômica.


E quando os dois tipos de políticos se juntam em aliança não há nada que os segure. O que fazer? Tocar um tango argentino ou visitar o Peter Pan? A voz dos brasileiros tem de se levantar, reivindicar, reclamar, procurar os corações semelhantes. Temos de nos indignar, acender a ira santa e pacífica que não mata por ser livre e democrática. Não queremos nenhuma revolução. Não é mais possível que a população não se sinta representada por nenhum poder e, quando a injustiça lhe cai na cabeça, desorientada, busque na raiva destrutiva o consolo para seu desconforto.


Qual foi a última vez em que você ouviu um discurso sensato sobre como resolver, de forma prática e eficaz, os reais problemas brasileiros? Ninguém se lembra, naturalmente. Só ideias lixo.


Na Copa, torcer pelo Brasil. Nas eleições de outubro, também. E vamos chamar o lixeiro.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação