Detonando em 10 lições

Para aqueles que não se preocupam com a durabilidade dos pneus, vão aqui algumas dicas que aceleram o processo de desgaste das bolachas de borracha, que custam caro

Enio Greco
postado em 19/02/2014 00:00
 (foto: Bridgestone/Divulgação
)
(foto: Bridgestone/Divulgação )
Tem cidadão que não tem amor ao bolso e trata os pneus do carro como um sapato velho. São aqueles que nunca se preocupam com a calibragem, catam os buracos pelas ruas, não lembram do alinhamento, balanceamento e rodízio, e ainda sobrecarregam o carro, provocando o superaquecimento da borracha. Faça um exame de consciência e veja se você é um verdadeiro detonador de pneus.

CALIBRAR, PRA QUÊ? A primeira providência básica para encurtar o prazo de convivência entre os pneus e o seu carro é ignorar solenemente aquela história de calibrá-los semanalmente. Se você é daqueles que lembram da calibragem só quando faz a viagem de férias com a família, é forte candidato ao título de detonador de pneus do ano.

CHEIÃO Calibrar o pneu com pressão muito acima do recomendado pelo fabricante é uma forma de garantir desgaste acentuado na parte central da banda de rodagem. Além disso, o pneu fica mais suscetível a estouro quando a roda passar por um buraco com quina.

MURCHÃO A preguiça de ir ao posto para calibrar deixou os pneus do carro murchos, com barrigas nas laterais. É situação propícia para desgastar prematuramente os ombros dos pneus, além de comprometer a dirigibilidade do carro, deixando a direção mais pesada.

DEFORMADO Quer danificar a carcaça dos pneus sem dó, provocando deformações ou rasgos nas bandas laterais ou de rodagem? Dirija sem atenção, passando por buracos ou por cima de objetos cortantes. É tiro e queda! Mas você também pode prensar o pneu contra o meio fio quando estaciona em uma descida. É uma boa forma de danificar a estrutura e até mesmo colaborar para esvaziar o pneu.

QUADRADO Deixar o carro parado por alguns meses na garagem também é garantia de detonação dos pneus. Eles acabam ficando com a base achatada, quadrada, e dificilmente retomam o formato original, resultando em um rodar desconfortável e desbalanceado.

NERVOSINHO Se você é daquele tipo de motorista metido a piloto, que gosta de arrancadas acompanhadas de cantadas de pneus, fazer curvas em altas velocidades e dar freadas bruscas desnecessárias com o carrão, certamente está contribuindo para o desgaste prematuro das bolachas de borracha.

PESADO Outra forma de contribuir com o desgaste acelerado e a deformação dos pneus é sobrecarregar o carro com frequência, ultrapassando o limite de carga útil determinado pelo fabricante. A sobrecarga superaquece os pneus, aumentando as chances de danos.

CARNE OU BORRACHA?
Aqueles que acham que rodízio só existe em churrascarias ou pizzarias também contribuem no processo de detonação dos pneus. Esquecer do rodízio dos pneumáticos é uma boa maneira de impedir que o conjunto apresente um desgaste uniforme, prolongando a durabilidade.

CUIDADO ONDE PISA E para fechar a fatura e acabar de detonar os pneus, deixando-os ressecados ou corroídos, basta estacionar sobre óleo, solventes ou qualquer derivado de petróleo. Aquele famoso ;pretinho;, que deixa o pneu bonitinho, também pode conter substâncias nocivas à borracha.

TEM QUE ALINHAR? Sua vida está muito atribulada e você não tem tempo de lembrar da manutenção do carro, muito menos de fazer o balanceamento das rodas e alinhamento da direção, pelo menos a cada cinco mil quilômetros. É a condição ideal para promover o desgaste prematuro e irregular dos pneus, que podem pedir substituição muito antes do prazo que seu bolso desejaria.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação