Pena de Pavão de Krishna

Profano no carnaval de Krishna

Pena de Pavão de Krishna reuniu 3 mil foliões no Jardim América e, na Cidade Nova, a garotada se divertiu ao som do Bloquim Dubem

Zulmira Furbino e Renan Damasceno
postado em 03/03/2014 00:00
 (foto: RENAN DAMASCENO/EM/D.A PRESS)
(foto: RENAN DAMASCENO/EM/D.A PRESS)

Sobrou folia no domingo de carnaval em Belo Horizonte. Enquanto o Bairro Jardim América se coloriu de azul com a alegria do bloco carnavalesco Pena de Pavão de Krishna, na Cidade Nova, a criançada caiu na folia no Parque Marcos Mazzoni com o Bloquim Dubem. Na Cidade Jardim, o Só Frituras atraiu para a Avenida Prudente de Morais até gente que saiu da Pampulha, no outro lado da cidade, para se divertir. Juntas, as agremiações levaram mais de 3,5 mil pessoas às ruas de Belo Horizonte. O clima era de paz e confraternização.

Mesmo com divulgação restrita a grupos no Facebook, o Pena de Pavão e Krishna reuniu cerca de 3 mil foliões na Praça Apa, no Bairro Jardim América. Quase todos os participantes tinham o rosto pintado de azul. O bloco era guiado por um carro elétrico com um pavão em destaque, além de um violinista e um violonista e atabaques. O endereço da praça onde a turma se concentrou foi mantido em sigilo pelos organizadores por temor de que as ruas do bairro não suportassem receber um número muito grande de pessoas.

A designer Adê Scalco, de 37 anos, demorou a chegar ao Jardim América, onde iria acompanhar o Pena de Pavão de Krishna, ao ter dificuldade para localizar o ponto de concentração, mas não se arrependeu. ;O bloco é maravilhoso. Tudo muito colorido, com as cores verde, magenta e azul-anil. Além disso, as músicas são afoxé, tropicália e Hari Krishna;, disse. De acordo com ela, quando saiu da Praça Apa, a multidão se dirigiu para a comunidade da Ventosa, onde foi muito bem recebida pelos moradores. ;As pessoas ajudaram e interagiram com os foliões. Todo mundo entrou no clima, e o desfile terminou na quadra da escola da comunidade.;

No Bairro Cidade Nova, Luciana de Paula, presidente do Instituto do Bem, que organizou o carnaval para as crianças, conta que sua motivação foi o filho de 1 ano e meio. Animados pelo grupo Tambolelê, e ao embalo de música afro-mineira, crianças e adultos acompanharam o bloco pelas ruas em volta do Parque Marcos Mazzoni. Depois do desfile, dois bailinhos encerraram a festa, animados pelos DJs Samberçário Groove e Rockababy. ;Eu queria que meu filho se divertisse no carnaval. Ano passado fomos a Santa Teresa, mas a festa era para adultos;, diz.

PELA MANHÃ No Só Frituras, Ronaldo Rogério, de 52, segundo ele mesmo, ;corpinho de 18;, saiu da Região da Pampulha em busca da folia e acabou parando na Avenida Prudente de Morais, na Região Centro-Sul, para entrar no clima carnavaleco com a família. ;Tentei primeiro um bloco no Bairro Caiçara, mas o movimento ainda não tinha começado;, conta. Apesar da presença de cerca de 100 pessoas, havia animação. O engenheiro Rogério Oliveira, de 57, fundador do bloco, e seu amigo, o consultor César Leandro Soares de Castro, acordaram às 4h de ontem para começar a fritar torresmo, asinha e coxinha de frango. ;No sábado trabalhamos o dia inteiro cozinhando tudo. Queremos combater essa frescura de as pessoas comerem só alface;, brincou Oliveira.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação