Jogo de imagens e palavras

postado em 20/03/2014 00:00
 (foto: Janice d%u2019Avila/Divulgação)
(foto: Janice d%u2019Avila/Divulgação)

Feito a partir do projeto rio oir do artista plástico Cildo Meireles, o documentário Ouvir o rio: uma escultura sonora de Cildo Meireles, produzido pelo Itaú Cultural e dirigido por Marcela Lordy, ganha exibição única e gratuita na sessão Toda quinta e muito MMMais, do Museu das Minas e do Metal (MMM).

A projeção, realizada hoje a partir das 19h30, inicia a itinerância que o filme fará por diversas cidades do Brasil. Lançado nacionalmente em novembro do ano passado, o filme até agora foi exibido somente nas salas de cinema Itaú-Unibanco de São Paulo, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro e Salvador.

Ouvir o rio: uma escultura sonora de Cildo Meireles é a primeira experiência no cinema documental da diretora Marcela Lordy. O filme destrincha a obra rio oir de Cildo a partir do registro de todos os processos pelos quais o artista visual passou em expedição pelo Brasil, buscando o som das bacias de rios e nas águas processadas pelo homem, depois em estúdio de som, juntando as imagens e sons capturados e combinados à cacofonia das águas residuais e às gargalhadas humanas. O título rio oir é um palíndromo, em um jogo de palavras que faz referência ao fluxo da água, à audição, e à risada.

OUVIR O RIO: UMA ESCULTURA
SONORA DE CILDO MEIRELES


Hoje, às 19h30, exibição de documentário com direção de
Marcela Lordy. Museu das Minas e do Metal,
Praça da Liberdade, s/n;.
Capacidade: 80 pessoas. Entrada franca.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação