Estreia na urna vale para o futuro

Estreia na urna vale para o futuro

Quase 74 mil eleitores estão aptos a escolher, pela primeira vez, governantes. E eles podem chegar a decidir alguns cargos

» CAMILA COSTA
postado em 04/05/2014 00:00
 (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)





A geração que vai pela primeira vez às urnas neste ano, na maioria das vezes, protagonizou os últimos protestos no Brasil e na capital da República. Muitos sentiram o gostinho da política no sentido básico da palavra e de integrar um processo democrático de mudança em um país a partir das manifestações. Jovens como o estudante Rodrigo Andres Fischer, de 17 anos. Ao ver milhões de pessoas nas ruas, com faixas e cartazes, e ouvir gritos de ordem clamando por mudanças, ele se sentiu obrigado a entender o que era a necessidade daqueles manifestantes. ;Os protestos me fizeram pensar e entender o que estava acontecendo. Antes de me manifestar, eu tinha que entender;, explica o estudante.

Rodrigo vai votar pela primeira vez. Como ele, jovens entre 16 e 18 anos de idade se preparam para enfrentar o desafio de escolher os futuros governantes da cidade e do país. Meninos e meninas ouvidos pelo Correio buscam a melhor forma de resolver a questão. Somente no Distrito Federal (DF), segundo números do Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF), serão 73.898 mil eleitores na faixa etária. Ansiedade e esperança em uma nova realidade política para Brasília são alguns dos sentimentos que permeiam a cabeça dos eleitores novatos.

No embalo das manifestações, o brasiliense Rodrigo pesquisou sobre os candidatos, mas ainda não se decidiu sobre os nomes que serão validados nas urnas. ;Eu ainda tenho muitas incertezas. Será que meu voto vai fazer a diferença ou vai prejudicar?;, questiona-se. As dúvidas espalham-se para outros adolescentes. Há quatro anos, elas eram tantas que a estudante Lorenna Resende, 19, optou por só votar agora. Nas últimas eleições, mesmo com idade para escolher, ela preferiu não participar do processo eleitoral. ;Eu não me sentia à vontade. Pelos discursos que ouvia, achava totalmente desnecessário, mas de lá pra cá, aconteceram algumas coisas: eu me envolvi mais com política, pesquisei; conta a jovem. Assim como Rodrigo, Lorenna está ansiosa para ver o resultado e as consequências dos votos. ;Nós temos a oportunidade de mudar o que não está bom;, defende.

Fazer a diferença para o bem na sociedade com um único voto é incerto, mas está entre um dos maiores desejos dos jovens, segundo as pessoas ouvidas pela reportagem. Todos querem contribuir para uma mudança positiva nas áreas prioritárias para a população, como a saúde, a segurança e a educação. ;O Brasil precisa melhorar em muita coisa, como infraestrutura. Eu viajo e percebo a diferença daqui para outros países. Acho que podemos conseguir mudar com o voto. Quanto mais pessoas com o objetivo de mudar as coisas, de desenvolver o Brasil, o resultado será melhor;, avalia Giulio Henrique de Andrade Pasini, de 16 anos. O adolescente não tem a obrigação de votar, mas não abre mão de participar. ;Nós precisamos crescer;, justificou.

Peso para decidir
De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a média de novos votantes entre 16 e 18 anos no país tem sido de 2 milhões a cada pleito. Neste ano, já estão garantidos quase 1 milhão ; o cadastramento só será encerrado neste mês. A média dos demais adolescentes ainda no início da vida ativa do ponto de vista democrático, entre 18 e 20 anos, é de 9 milhões. Se mantiverem a média de 11 milhões, juntos, eles poderão contribuir para a vitória ou derrota de um candidato: em 2010, a diferença entre a presidente Dilma Rousseff e o segundo colocado, José Serra, ficou em 12 milhões de votos.


Dicas para acertar na escolha

; Tenha interesse na política. Pesquise o que está acontecendo tanto no plano local, quanto no federal

; Saiba dicernir a escolha: se o candidato tenta a reeleição, procure as propostas que foram apresentadas por ele e descubra como foi o trabalho desde o início da legislatura, em 2011. Se for um candidato de primeira viagem, dê atenção às propostas dele para a cidade

; Leia. Procure notícias e informações em diversos meios de comunicação. Não fique preso a apenas uma fonte

; Informe-se sobre a biografia do candidato e a trajetória política

; Incentive um colega, um amigo a fazer o mesmo. Participe de movimentos e tenha a política como aliada no dia a dia



Fonte: Cristiano Paixão, professor de história do direito da UnB

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação