Nas entrelinhas

Nas entrelinhas

Hoje, na sessão do Congresso, a CPI Mista será instalada. O governo não foi capaz de manter coesa a sua base e o PT, contrário à CPI Mista, acabou isolado

por Luiz Carlos Azedo luizazedo.df@dabr.com.br
postado em 07/05/2014 00:00

Um bordo negativo
A presidente Dilma Rousseff tenta avançar contra a corrente como aquele velejador que não tem alternativa a não ser prosseguir no bordo negativo ; que o afasta do destino ; para se distanciar dos perigos da costa. Desde o fim de semana passado, quando tentou sepultar o ;Volta, Lula; no encontro do PT, trabalha uma agenda negativa, que vai da CPI da Petrobras, cuja instalação virou uma novela, aos indicadores de emprego da pesquisa Pnad Contínua, que a cúpula do IBGE havia cancelado e, agora, voltou atrás. Essa agenda inclui ainda números desfavoráveis na saúde pública, apesar do Mais Médicos; problemas no setor elétrico e indicadores econômicos que abalam a credibilidade do governo junto aos investidores; e críticas generalizadas aos preparativos da Copa do Mundo, dentro e fora do país, além da recidivas do ;Volta, Lula;.

Ontem, Dilma se reuniu com os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-RN), e da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), numa tentativa de domar a instalação da CPI Mista da Petrobras, que o governo tentava evitar, restringindo-a ao Senado, no qual a base governista é mais segura. Faltou combinar com o líder da bancada do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), que não foi chamado para a reunião e já disse que quer participar das investigações. Por mais que o governo consiga domar a CPI, esse é um jogo no qual se tem sempre mais a perder do que ganhar. Para a oposição, a lengalenga é até boa.

Hoje, na sessão do Congresso, a CPI mista deve ser instalada. O governo não foi capaz de manter coesa a sua base e o PT, contrário à investigação conjunta, acabou isolado. O posicionamento de Henrique Eduardo Alves liquidou o assunto: ;A Câmara quer participar desde o primeiro momento. É a participação correta, democrática, transparente do Senado e da Câmara. Acho que o senador Renan Calheiros está certo em marcar a sessão do Congresso e pedir que os líderes indiquem os membros;, disse. O presidente da Câmara também descartou a possibilidade de a CPMI investigar outros temas além da Petrobras, como as denúncias de corrupção nas obras do metrô de São Paulo, como querem os governistas.

Comparações
A estratégia do Palácio do Planalto para sair da defensiva é antecipar a polarização eleitoral e fazer um confronto entre os indicadores econômicos e sociais dos governos Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, procurando mostrar o comando de Dilma Rousseff como continuidade do projeto petista. Essa retórica ajuda a conter o ;Volta, Lula; e arma o discurso partidário contra os adversários Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), mas não mexem ainda com a cabeça do eleitor e tem a fragilidade de revelar uma curva decrescente quando os números chegam à gestão atual. Foi o que aconteceu na reunião da presidente da República com 20 de seus ministros na segunda-feira, ocasião em que o ministro Marcelo Neri, da Secretaria de Assuntos Estratégicos, fez uma leitura ;por dentro; dos indicadores sociais e proclamou que ;o resultado para os brasileiros é bem diferente do resultado para os economistas;.

Neri, que foi efetivado no cargo, mostrou como positivo um paradoxo: ;Nestes 11 anos, a desigualdade cai e continua caindo. A renda média continua subindo;, disse, destacando que a variação da renda teve crescimento médio, segundo ele, de 3,5% desde 2005, ou seja, muito superior ao Produto Interno Bruto. Ocorre que não existe almoço grátis, como a renda sobe mais do que a produção nacional, a inflação se encarrega de corrigir essa defasagem, comendo uma parte dos salários. Outro paradoxo é a relação entre o acesso da população aos bens, que cresceu a uma taxa de 320% nos últimos anos e os serviços, que se expandiram apenas em 48%. Vem daí a insatisfação popular com o transporte público, a saúde, a educação e a segurança.

O general da Copa
O general de Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, 62 anos, que estava há dois anos e oito meses no Comando Militar da Amazônia, assumirá na próxima terça-feira o Comando de Operações Terrestres. Sua primeira missão será a segurança da Copa do Mundo. ;Temos forças de contingência para atuar em casos de emergência e forças de segurança para pontos estratégicos.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação