Autossuficiência é mito derrubado

Autossuficiência é mito derrubado

Diferença acumulada entre importações e exportações de petróleo desde 2006 não deixa dúvidas de que suposta conquista anunciada por Lula em 2006 foi reprovada na prática

» Simone Kafruni
postado em 07/05/2014 00:00
 (foto: Petrobras/Divulgação)
(foto: Petrobras/Divulgação)


O anúncio da suposta conquista de autossuficiência em petróleo do Brasil, feito em abril de 2006 pelo presidente à época, Luiz Inácio Lula da Silva, funcionou como uma maldição para o país, tanto quanto a descoberta do pré-sal. Em oito anos, a conta-petróleo, que faz o balanço entre exportações e importações do produto, acumula deficit de US$ 53,3 bilhões. Apenas no primeiro trimestre de 2014, o rombo é de US$ 4,5 bilhões. Da mesma forma, desde que descobriu os campos do pré-sal, a Petrobras viu sua produção, estagnada desde 2010, começar a cair, com recuo de 2,1% em 2012 sobre 2011 e de 2,3% no ano passado sobre o período anterior.

Para o professor de geologia do petróleo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) René Rodrigues, foi prematuro anunciar a autossuficiência, uma vez que o Brasil tinha refinarias para transformar um tipo de petróleo mais leve em combustíveis como gasolina, diesel e querosene. E a maior parte de óleo que o Brasil passou a extrair é pesado e mais barato no mercado mundial. ;As apostas foram erradas;, sublinhou.

Sem ter refinarias capazes de transformar o petróleo pesado em combustível, o país passou a importar o óleo leve, mais caro no mercado. ;A Petrobras até tentou investir em refinarias especiais, e algumas foram adaptadas para o óleo pesado. Mas a refinaria de Pernambuco, projetada para isso, não operou. O caso de Pasadena (o mau negócio feito pela Petrobras e que virou alvo de investigação) também era uma tentativa de usar refinarias para óleos pesados;, acrescentou o professor.

Depois de vários investimentos e gastos para adaptação de refinarias, o Brasil descobriu o pré-sal, em que o petróleo extraído é o do tipo leve. ;Ou seja, quando começou a ter refinarias para petróleo pesado, descobriu jazidas do petróleo capaz de ser transformado em combustível. Faltou planejamento, mas só com uma bola de cristal seria possível saber que isso aconteceria;, destacou.

Estratégia errada
Na avaliação do presidente do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires, os anúncios não trouxeram benefícios ao país por conta da política equivocada do governo. ;O problema é que fizeram muitas interferências no setor;, explicou. Pires ressaltou que o país ficou cinco anos sem realizar leilões. ;Se o leilão de Libra tivesse sido feito em 2009, talvez estivesse produzindo agora. Mas só vai produzir em 2020. O governo também decidiu controlar os preços dos combustíveis, fazendo a Petrobras se tornar a petroleira mais endividada do mundo;, observou.

Pires afirmou que o governo passou a utilizar a estatal de maneira excessiva para fazer política econômica e industrial. ;Com controle de preços, estimulou o consumo de gasolina em detrimento do etanol. As importações do combustível aumentaram 490% de 2010 a 2014;, ressaltou. O especialista disse que a Petrobras vive seu pior ano em 60 de existência por conta das manobras do atual governo.

A previsão, conforme o diretor do CBIE, não é tão negativa, porque a produção da Petrobras está aumentando. Além disso, segundo o professor Rodrigues, a extração do pré-sal é do petróleo leve. ;Mas tudo vai depender da condução das políticas públicas;, alertou Pires, que arrisca fazer projeções em dois cenários, já que 2014 é um ano eleitoral. ;Se o Aécio Neves vencer, certamente vai aumentar o preço da gasolina e dar continuidade aos leilões. Se a Dilma se reeleger, ou vai assumir que fez uma política errada e tentar consertá-la, ou vai insistir no erro;, estimou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação