Lucro da Petrobras despenca

Lucro da Petrobras despenca

Gastos com desligamento de funcionários e perdas na venda de combustíveis fazem o resultado trimestral recuar 30%

postado em 10/05/2014 00:00
 (foto: Arquivo/Petrobras)
(foto: Arquivo/Petrobras)


A Petrobras encerrou o primeiro trimestre deste ano com um lucro de R$ 5,39 bilhões, um tombo de 29,9% em relação a igual período de 2013. Na comparação com o último trimestre do ano passado, também houve queda: 14,1%.

O lucro da companhia veio acima das expectativas de analistas, em torno de R$ 5,2 bilhões. Segundo a estatal, o resultado foi afetado, principalmente, pelas provisões feitas para cobrir despesas trabalhistas de R$ 2,4 bilhões, previstas com o atual Plano de Incentivo à Demissão Voluntária (PDV), que levou mais de 8 mil funcionários a se habilitarem. Essas reservas retiraram R$ 1,6 bilhão dos ganhos apurados pela companhia no começo do ano.

É a terceira vez seguida que o lucro trimestral da estatal recua na comparação com o igual período do ano anterior, apesar dos diversos reajustes nas tabelas de combustíveis aplicados desde o começo de 2012, quando Graça Foster chegou à presidência da petroleira. Os analistas lembram que o resultado trimestral teria sido ainda pior não fosse o reajuste autorizado pelo governo em novembro, de 4% na gasolina e de 8% no diesel.

O faturamento de janeiro a março cresceu 12,4% sobre os R$ 81,02 bilhões no quarto trimestre do ano passado, para R$ 81,54 bilhões. O aumento no preços dos combustíveis e a alta do patamar médio do dólar no primeiro trimestre, quando comparado ao mesmo período de 2013, impulsionaram a receita.

Abastecimento

De toda forma, o balanço continua contido pelos recorrentes prejuízos gerados pela área de abastecimento doméstico. A prática continuada de importação de combustíveis, mais caros, e a posterior revenda ao mercado doméstico, a preços abaixo dos praticados no exterior, levaram a área a acumular um prejuízo de R$ 4,8 bilhões no período.

Graça Foster afirmou ontem que acredita no alcance da meta de crescimento da produção de petróleo da empresa, de 7,5% em 2014, na comparação com o ano passado. Isso apesar da queda da produção observada no primeiro trimestre. Para isso, ela conta com as ações de aumento da eficiência operacional, que já geraram uma adição de 58 mil barris por dia à produção.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação