Sr. Redator

Sr. Redator

postado em 17/05/2014 00:00

Mensaleiros
A quem muito foi dado, muito será pedido. Defensores dos mensaleiros se queixam do rigor das penas aplicadas. Estão errados. A motivação e a capacidade de praticar um crime dizem tudo sobre a natureza do criminoso. Se a Justiça é a bússola pela qual o direito se orienta; e a lei, o mapa; cabe ao juiz escolher os caminhos mais convenientes, conforme o terreno e o clima, para que a sociedade não fique exposta ao crime. Quem trai a confiança do povo repete o delito milhões de vezes contra cada um dos cidadãos cujos interesses violou, quando devia protegê-los. Penas maiores para crimes maiores. Atenuantes quando as circunstâncias concorrem para que o crime se consume. Agravantes quando a motivação é subjetiva e torpe. Apoio o ministro Joaquim Barbosa. Crimes contra o povo, praticados por seus representantes, não merecem atenuantes!
; Luciano de Freitas Borges,
Lago Sul

; Em 13/5, o digníssimo condenado José Dirceu, após cinco meses do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal, inconformado, resolveu apelar para a Corte Interamericana de Direitos Humanos, sob a alegação de que a Justiça brasileira violou a Convenção Interamericana de Direitos Humanos no que se refere ao duplo grau de jurisdição. O fato é que a jurisdição, que é o poder do Estado de ;dizer o direito;, e a competência, que são as normas que determinam quem é o juiz ou juízo competente para o julgamento de determinado réu, são normas constitucionais predeterminadas ao julgamento, não podendo ser modificadas antes nem durante, sob pena de se constituir um tribunal de exceção. Sendo assim, as normas relativas à jurisdição e à competência são normas constitucionais imodificáveis (claúsulas pétreas), já que tratam da própria essência e organização da Justiça brasileira, sob pena de violação frontal à tripartição de poderes, que é cláusula pétrea (parágrafo 4; do art.60 da CF).
; Sylvana Machado Ribeiro,

Lago Sul


; A Justiça, por meio do STF, cumpriu a lei e determinou o imediato retorno do mensaleiro enquadrado na Ação Penal n; 470 José Genoino ao cárcere. Há de se dizer que, dentro da Papuda, existem centenas, quiçá milhares, de presidiários. Muitos deles cumprem pena porque roubaram um biscoito, uma margarina ou um maço de cigarros. Outros pagam pena porque assassinaram, estupraram. Todos eles têm médico durante a semana. Genoino ficou um bom tempo em mansão do Lago Sul porque alegou problemas de saúde. Ora, quantos bandidos na Papuda não passam por problemas de saúde tão sérios quantos os alegados e inexistentes do ex-guerrilheiro? Espero, como cidadão que paga impostos e a estada desse condenado do mensalão, bem como a do chefe da quadrilha na Papuda, que a Justiça não lhe dê o direito a prisão domiciliar, visto que seu estado de saúde é ótimo, como disse uma junta de médicos da UnB e da Câmara.
; José Monte Aragão,
Condomínio Alto da Boa Vista

Romário

No caderno Superesportes de 16/5, li reportagem com o título ;Mundial do Peixe; (pág. 2). Crítico da Copa, Romário fatura ;ao menos R$ 700 mil; com anúncios no Mundial, diz a matéria. Creio que são duas situações diferentes, ambas no aspecto positivo a favor de Romário. Veja a tese: o deputado ex-jogador de futebol teria que se abster da crítica à CBF por ter realizado um trabalho profissional que nada tem a ver com a entidade esportiva, mas sim com a sua carreira de jogador bem-sucedido na Seleção Brasileira. Eis a realidade: ou Romário fala como deputado, mas sem criticar os ilícitos de uma entidade, ou eventualmente atua em comercial sobre futebol como ex-jogador notório e competente. Creio que, se o anúncio fosse diretamente relacionado à CBF ou à Fifa, caberia a pecha de antiética.
; Luiz Serra,
Asa Sul

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação