ARI CUNHA

ARI CUNHA

Desde 1960 - Visto, lido e ouvido

aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br
postado em 17/05/2014 00:00

Obras de ficção abrem campanhas
É função de qualquer peça publicitária chamar a atenção para o produto que se anuncia. No caso da propaganda política, essa função é a mesma, ou seja, o que está exposto para venda na vitrine é o partido, com seu pacote de intenções genéricas. No caso de propaganda enganosa, o antídoto está no Código do Consumidor ou no Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar). Livre das amarras contidas nas leis de mercado, em propaganda política tudo é válido, inclusive mentir e distorcer a história, apagando do contexto atual qualquer pista verdadeira que revele a fonte cristalina da verdade. Na nova propaganda nacional do PT para a televisão, um onipresente Lula diz em discurso para uma plateia mansa que o seu partido ;não nasceu para fazer tudo o que os outros fazem;. De fato. Embora tenha nascido pregando outros propósitos, o PT aliou-se ao que tinha de mais atrasado na política do país e conseguiu, com isso, ir muito além dos ensinamentos dos mestres do passado. ;Se alguém, entre nós, cometeu um erro, tem que pagar pelo erro que cometeu;, disse em seguida. O ;se; revela que o partido ainda não assimilou o mea-culpa. Por seu lado, é sabido que o julgamento do mensalão foi obra de uma parcela apenas do Judiciário, sendo que essa parcela sofreu todo tipo de pressão, inclusive com ameaças de morte. Internamente, não houve providências do partido no sentido de punir os culpados, como reza o próprio estatuto em vigor. Por incrível que possa parecer, foi expulso justamente quem não compactuou com o modus operandi. No filmete, Lula diz ainda: ;Este partido nasceu para provar que é possível fazer política de forma mais digna;. É possível fazer política de forma mais digna, mas não é o que vem sendo feito nos últimos 12 anos, com a sucessão contínua de escândalos que ameaçam não só as finanças do país, como a segurança jurídica e a própria democracia. Na incrível capacidade de negar o óbvio, Dilma afirma no vídeo que seu governo ;será sempre o da estabilidade e da responsabilidade fiscal;. A estabilidade e a responsabilidade fiscal estão ameaçadas por metas de curto prazo, que vislumbram apenas o horizonte eleitoral imediato, sendo que as contas públicas estão no vermelho e, quando apresentadas à nação, sofrem, primeiro, um processo de maquiagem profunda, capaz de transformar um dragão num pássaro do paraíso. Na propaganda petista, aparece ainda o presidente da legenda pregando a salvação de todos por meio de mudanças na Constituição que possibilitem a reforma política. Uma reforma em que o contribuinte entra com o financiamento das siglas e em que não possa eleger diretamente o candidato, mas confiar na lista elaborada pelos caciques donos das legendas. Diante da bruta realidade do país, o PT insiste ainda em se exibir num filme de ficção, embora não consiga esconder o fato de que está irremediavelmente nu.


A frase que foi pronunciada

;A sopa é para a infância o que o comunismo é para a democracia!”
Mafalda


Defesa da pátria

; Em depoimento na Comissão de Constituição e Justiça, o general Odilson Benzi, falando sobre segurança, disse que, no Brasil, ;trabalha-se em um quadro em que a população está completamente desassistida. Aqueles que tinham por obrigação preservar a segurança estão inoperantes;.

Evolução social
; Inquirido pelo senador Eduardo Suplicy, o general respondeu que realmente é o momento de o Superior Tribunal Militar, a Justiça Militar, trabalhar no Código Penal Militar pensando na substituição da prisão como penalidade pela prestação de serviço à comunidade.

Tráfico de pessoas
; De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), somente no Brasil, o tráfico de pessoas movimenta algo em torno de US$ 32 bilhões por ano. Na tentativa de inibir essas práticas, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei n; 5.317/13, que inclui entre os crimes hediondos o tráfico interno e internacional de pessoas para fim de exploração sexual.

Regalias
; Tratamentos diferenciados para presos são sempre motivo para preocupações, tanto para a Justiça quanto para a sociedade. Se, de um lado, a diferenciação de tratamento gera desrespeito às normas da lei, levando à incredulidade das pessoas sobre a eficácia das normas legais, do outro, essas práticas acabam por gerar conflitos internos nas unidades prisionais, onde o clima para revoltas está à flor da pele. A notícia sobre a visita da filha de José Dirceu à Papuda, feita em carro da própria unidade, furando fila, é um exemplo ruim para a população em geral e um rastilho de pólvora para os internos.

Barbosa
; Por via das dúvidas, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, negou a José Dirceu autorização para trabalhar fora do presídio. No entendimento do ministro, a Lei de Execução Penal só autoriza trabalhos externos depois de cumprido um sexto da pena, o que deve ocorrer somente a partir de março de 2015. De seu lado, seguem as apostas de que a presidente Dilma, caso reeleita, venha a conceder o indulto aos companheiros presos.


História de Brasília
A campanha que minha vizinha aí de cima está fazendo contra o não uso de gravatas, por mim, tem surtido algum efeito. Recebi várias gravatas, efetivamente, mas não as uso pela falta. É que não abro mão do traje esportivo. Nunca abri, e não abrirei, principalmente agora, depois que o dr. Juscelino aprovou. Ponto final. (Publicado em 16/7/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação