Suíço arrependido

Suíço arrependido

Presidente da Fifa, Joseph Blatter diz que foi um erro escolher o Catar como sede do torneio em 2022, nega que o direito de receber o evento tenha sido comprado e defende a disputa da competição no inverno. Citada na entrevista do dirigente, a França se defende

postado em 17/05/2014 00:00
 (foto: Philippe Desmazes/AFP - 16/5/14)
(foto: Philippe Desmazes/AFP - 16/5/14)


O presidente da Fifa, Joseph Blatter, admitiu que foi um ;erro; ter escolhido o Catar como sede da Copa de 2022. ;Sim, claro;, respondeu o dirigente suíço ao ser questionado por um jornalista da emissora de rádio e televisão suíça RTS se havia sido um equívoco ter concedido o Mundial ao Catar devido ao calor intenso no emirado. As temperaturas alcançam 40;C e 50;C no verão. ;Mas, como você sabe, todos cometem erros na vida. O relatório técnico do Catar indicava efetivamente que faz muito calor no verão, mas o Comitê Executivo (da Fifa) decidiu, por ampla maioria, jogar no Catar;, disse.

Diante das circunstâncias, ;é mais que provável; que a Copa de 2022 seja disputada durante o inverno (hemisfério norte, verão no Brasil), completou o presidente da Fifa. Joseph Blatter destacou em várias ocasiões o desejo de modificar a data tradicional do torneio.

;A melhor época para jogar seria o fim do ano. Temos de ser realistas. Nós precisamos mudar as datas porque não se pode jogar no verão. Apesar de o Catar insistir nisso, temos de jogar no inverno, no fim do ano;, argumentou o mandatário da Fifa.

Em um comunicado, a Fifa apresentou explicações sobre as declarações do presidente da entidade. ;O presidente reitera que a decisão de organizar o Mundial no Catar no verão foi um erro. Em nenhum momento, questiona a organização do Mundial-2022 no Catar;, afirma o texto. A escolha da sede da Copa de 2022 foi feita pela Fifa em dezembro de 2010.

Contra-ataque
Na mesma entrevista, Blatter, que descartou a questão da corrupção, mencionou o forte lobby de França e Alemanha a favor do emirado. ;Não, nunca direi que compraram (a competição);, declarou, mas admitiu um ;impulso político; procedente sobretudo de Paris e Berlim. ;Sabemos muito bem que grandes empresas francesas e grandes empresas alemãs trabalham no Catar. Mas não trabalham apenas pelo Mundial;, disse Blatter, antes de afirmar que a Fifa ;não pode intervir nas considerações políticas;.

Mas as declarações de Blatter foram rebatidas ontem pela França. ;As alegações do presidente da Fifa sobre supostas pressões exercidas pela França no momento da atribuição da sede do Mundial de 2022 carecem de fundamento;, reagiu Romain Nadal, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores. ;A designação de um país para a organização do Mundial corresponde à própria Fifa. O comitê executivo é quem escolhe por meio do voto;, completou.

Em Paris, o então presidente francês Nicolas Sarkozy organizou na sede do governo uma reunião com o presidente da Uefa, Michel Platini, e o primeiro-ministro do Catar antes da escolha da sede. Blatter afirma que não ficou surpreso com a reunião, pois foi informado com transparência.



Cartola descarta adversário Platini
Depois de confirmar a candidatura à reeleição na Fifa, o presidente Joseph Blatter disse ontem que descarta o francês Michel Platini, mandatário da Uefa, como adversário no pleito de 2015. ;Não, acho que não. Ele não fará isso;, respondeu o dirigente à rede de rádio e televisão suíça RTS. ;Para mim, Michel fez uma bela carreira. Não podemos esquecer que sua carreira é um pouco a minha, porque ele já foi meu pupilo. Inclusive, foi ele que pediu que eu me candidatasse à presidência da Fifa em 30 de março de 1998;, lembrou o suíço.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação