Costa entrega passaporte

Costa entrega passaporte

Ex-diretor da Petrobras encaminha documento português ao Supremo depois da descoberta de que ele possui dupla cidadania

ÉTORE MEDEIROS
postado em 27/05/2014 00:00
 (foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo - 19/5/14)
(foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo - 19/5/14)

Preso em 20 de março na Operação Lava-Jato, da Polícia Federal (PF), e solto na semana passada pelo ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal (STF), Paulo Roberto Costa omitiu da PF e da Justiça que possui cidadania portuguesa. O ex-diretor de Refino e Abastecimento da Petrobras entregou ao Poder Judiciário somente o passaporte brasileiro, e continuou de posse do similar português ; com o qual a poderia sair do Brasil. Ontem, no entanto, um dos advogados de Costa, Nélio Machado, entregou o documento ao STF. O ex-dirigente é considerado peça-chave de um esquema de lavagem de dinheiro que pode ter movimentado cerca de R$ 10 bilhões com o doleiro Alberto Youssef.

;Quando houve ordem de soltura, ele estava no Paraná, mas mora no Rio de Janeiro. O passaporte à mão era o brasileiro. Quando eu soube da existência de um passaporte de Portugal, imediatamente fiz chegar ao Supremo. Não tinha nenhuma razão para ele ficar com isso;, explica Machado, que assumiu integralmente a defesa de Costa há pouco tempo. Segundo ele, o cliente está à disposição ;da PF, de CPI, CPMI, seja o que for. Nem de longe ele tinha qualquer intenção de deixar o país;, complementa.

Na semana passada, outro advogado de Costa, Cássio Quirino Norberto, entregou à Justiça o passaporte brasileiro do cliente. À reportagem, ele alegou desconhecer a existência do documento português. ;Toda a documentação relacionada ao Paulo Roberto foi entregue à Justiça Federal de Curitiba, pelo menos o que era de nosso conhecimento;, diz Norberto.

Collor
O ex-presidente da República e senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) refutou ontem que tenha qualquer tipo de relação com Alberto Youssef. Da tribuna do plenário do Senado, Collor atribuiu as denúncias de que teria recebido R$ 50 mil do doleiro, em 2013, como uma ;desmesurada tentativa de criminalização de quem não cometeu a aludida ilegalidade;. Collor lembrou que o ofício enviado pelo juiz federal de Curitiba, Sergio Moro, ao ministro Teori Zavascki foi taxativo ao afirmar que não há qualquer envolvimento do senador nos oito inquéritos da PF vinculados à Lava-Jato.

;Foi o juiz Sérgio Moro quem se debruçou sobre os autos. É ele quem mais conhece os fatos, os inquéritos, as investigações e tudo o que se descobriu desse suposto esquema. E é ele mesmo quem afirma que não há qualquer indício do meu envolvimento;, alegou o parlamentar. Collor disse ainda que vai pedir acesso aos documentos nos quais é citado.

O senador assegurou que não conhece e jamais teve ;qualquer relacionamento de ordem pessoal ou política; com Youssef. ;O mesmo afirmo em relação ao senhor Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras.; Quanto a outro envolvido na Lava-Jato, Pedro Paulo Leoni Ramos ; dono de empresa suspeita de ter pago R$ 4,3 milhões ao doleiro ;, o senador não negou conhecê-lo. Ramos foi ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da gestão de Collor na Presidência da República. ;Mantenho com ele e a família, há mais de 30 anos, relação de amizade e respeito.;

PT quer a perda do mandato de Vargas
O PT pediu ontem ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que decrete a perda do mandato do deputado federal André Vargas (sem partido;PR), por desfiliação partidária. Há um mês, Vargas deixou a legenda após ter o nome envolvido na trama do doleiro Alberto Youssef, preso pela Operação Lava-Jato. O deputado responde a processo de cassação no Conselho de Ética da Câmara pelo relacionamento com Yousef. O PT alega que Vargas não justificou a desfiliação, o que, pela Resolução n; 22.160 de 2007, do próprio TSE, seria motivo suficiente para a perda do mandato.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação