Super-Águias esperam céu de brigadeiro

Super-Águias esperam céu de brigadeiro

postado em 16/06/2014 00:00
 (foto: Jewel Samad/AFP)
(foto: Jewel Samad/AFP)

A seleção da Nigéria, atual campeã africana, não deve ter problemas na estreia na Copa do Mundo do Brasil, hoje, contra o Irã, em tese o rival mais frágil do Grupo F, que conta ainda com Argentina e Bósnia. Em sua quinta participação em Mundiais, as Super-Águias têm a oportunidade iniciar a campanha de maneira calma, antes dos confrontos mais complicados em busca de uma vaga nas oitavas de final. Qualquer resultado diferente da vitória pode ter consequências duras para uma equipe que voltou a ganhar destaque depois do título na Copa Africana de Nações de 2013.

O torneio revelou uma equipe sem estrelas, com exceção do meia e capitão John Obi Mikel, mas unida ao redor do técnico Stephen ;Big Boss; Keshi, que, em alguns momentos, mais parece um rapper do que um treinador. Entretanto, a expectativa criada não foi confirmada, e na Copa das Confederações de 2013, a Nigéria foi eliminada na primeira fase, com derrotas para Uruguai e Espanha.

Os amistosos de preparação também provocaram dúvidas, com empates contra Escócia (2 x 2) e Grécia (0 x 0), e uma derrota para os Estados Unidos (2 x 1). ;Eles têm um bom treinador e também jogadores de qualidade. Não sabemos muito do Irã, mas veremos na segunda-feira;, disse Keshi.

Os iranianos, em contrapartida, chegam ao Brasil como completos desconhecidos. Em sua quarta Copa do Mundo, o país foi prejudicado pelo contexto geopolítico. O acordo temporário de seis meses assinado em novembro sobre o programa nuclear iraniano, que as grandes potências suspeitam que teria finalidade militar, suavizou as sanções que prejudicam a economia do país. Mas as transações financeiras permanecem submetidas a um rígido controle.

Depois de garantir a classificação para o Mundial, o técnico da seleção iraniana, o português Carlos Queiroz, lutou contra a falta de recursos da federação local e contra a impossibilidade de organizar partidas contra seleções de destaque. No fim, conseguiu concentrar a equipe na África do Sul e, depois, na Áustria. Para complicar ainda mais a situação, uma queixa surgiu sobre a qualidade dos uniformes fornecidos pela empresa Uhlsport, que, supostamente, encolhiam após a lavagem.

Apesar dos obstáculos, Queiroz confia em seus atletas. ;Não tenho dúvidas sobre meus jogadores. Estão prontos. Desejam dar 100% e trabalhar duro para conseguir resultados;, afirmou o lusitano. Os iranianos sonham em, pelo menos, repetir seu melhor resultado, obtido na França, em 1998, quando conseguiram uma vitória sobre os Estados Unidos, por 2 x 1.

Irã x Nigéria
16h
Arena da Baixada ; Curitiba

Transmissão: Globo, Bandeirantes, SporTV, ESPN Brasil, Fox Sports e BandSports

Copa do Mundo ; Grupo F ; 1; rodada

Irã
Davari; Heydari, Montazeri, Hosseini, Beitashour; Nekounam, Teymourian, Dejagah; Pooladi, Ghoochannejad, Shojaie
Técnico: Carlos Queiroz

Nigéria
Enyeama; Ambrose, Oshaniwa, Yobo, Oboabona; Mikel, Onazi, Azeez; Moses, Ameobi, Odemwingie
Técnico: Stephen Keshi

Árbitro: Carlos Vera (Equador)
Assistentes: Christian Lescano (Equador), Byron Romero (Equador) e Wilmar Roldan (Colômbia)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação