Entre a frustração e a fé

Entre a frustração e a fé

O brasiliense chama a responsabilidade a fim de ajudar a Seleção a decidir a vaga nas oitavas de final do Mundial. Torcedores da cidade dão até sugestões ao técnico Felipão %u2014 como ajustar a parte técnica e se preparar para a marcação forte de Camarões

Participaram da cobertura: Ailim Cabral, Almiro Marcos, Ariadne Sakkis, Kelly Almeida, Maryna Lacerda, Roberta Pinheiro e Saulo Araújo
postado em 18/06/2014 00:00
 (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)


Brasília será o palco da partida que selará o destino da Seleção Brasileira na Copa do Mundo. Os moradores da capital estão confiantes de que a cidade dará sorte aos canários no duelo contra Camarões, na próxima segunda-feira. Apesar da frustração após o empate sem gols com o México, a torcida do Distrito Federal acredita que o Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha trará felicidade. Há um ano, o time comandado por Felipão venceu o Japão por 3 x 0 na arena, na estreia da Copa das Confederações. Foi o início da campanha que terminou com o título da competição.

Alguns brasilienses até consideraram o empate interessante, principalmente porque o confronto contra a equipe africana deixou de ser um ;amistoso de luxo;, como muitos acreditavam, e se tornou o jogo mais importante da fase de grupos. O fato de a vaga ser decidida em Brasília contagiou milhares de pessoas que lotaram bares, restaurantes e clubes na tarde de ontem.

O publicitário Péter dos Santos, 57 anos, assistiu à partida num bar da 411 Sul e garante que a cidade será pé-quente. ;O jogo foi duro, pegado, e o México soube controlar o ímpeto brasileiro. Mas o lado bom é que a classificação vai sair aqui, no nosso quintal;, analisou. Em outra mesa, três amigos ensaiavam palpites para o encontro em Brasília.

Otimista, o economista Plínio Portela, 39, cravou que o Brasil passará sem dificuldades. ;Brasília não vai deixar barato. Vai ser 3 x 0;, palpitou. Já o servidor público Alexandre Dias, 35, prevê dificuldades. ;A seleção de Camarões marca forte e bate muito. Será um teste complicado;. Enquanto isso, Victor Castelo Branco, 33, acha que o encontro será ainda mais duro, embora aposte no êxito de Neymar e cia. ;Nós vamos nos classificar com um empate. Ficaremos em segundo no grupo e enfrentaremos a Holanda nas oitavas. Quem quer ser campeão não pode escolher adversário;, previu o também economista.

Otimismo

Na 406 Sul, um grupo de amigos garante que Brasília será o local certo para garantir a passagem para as oitavas de final. ;A decisão vai ser aqui, perto da gente. Vamos levar sorte para o Brasil;, empolgou-se Giovanna Puricelli. Ela e 10 amigos assistiram à partida em um bar. Sem ingressos para o decisivo confronto contra Camarões, os torcedores vão se valer da superstição e, assim, ajudar a Seleção. ;O bar deu azar. Contra a Croácia, assistimos na casa de um amigo e deu tudo certo. Até o fim da Copa, sempre escolheremos a residência de alguém;, disse Melissa Matiolli.

A estudante Brenda Gomes, 21, confia que o país sede chegará à decisão, a não ser que a poderosa Alemanha cruze o caminho antes. O palpite dela para o jogo de ontem era 2 x 2, portanto não ficou surpresa. ;Eles vão jogar no estádio da capital do país e vão passar para a próxima fase. O Hulk vai participar e vai dar mais corpo pro jogo;, brincou a moradora do Riacho Fundo. ;Na segunda-feira, vai dar 2 x 1 para o Brasil;, projetou. O analista de sistemas Gustavo Paiva de Amorim, 33, também está esperançoso, mas acha que o time precisa melhorar a parte técnica para enfrentar os próximos adversários. ;O Neymar atuou muito bem, mas o Ramires não jogou nada;, analisou o morador da Asa Sul.

Peruano na torcida


A equipe verde-amarela será embalada pelo clima positivo de Brasília. É o que também espera a estudante Beatriz Vieira, 20 anos. ;Vai ter uma energia muito grande para a nossa Seleção. Vamos até a final e vencer a Holanda;, diz a moradora de Taguatinga. Além dos milhões de brasileiros, o time de Scolari ganhou adeptos estrangeiros de diversas partes do mundo. O adido aéreo peruano Persy Munõz mora em Brasília há quase dois anos e, na ausência da seleção do país dele no maior evento esportivo do planeta, escolheu a equipe pentacampeã do mundo para torcer. ;Eu estava mais empolgado com o jogo de hoje (ontem), mas tenho certeza de que fecharemos com chave de ouro aqui em Brasília, até porque a cidade deu muita sorte no ano passado, na Copa das Confederações;, afirmou.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação