Mais de 70 dias depois, Vargas segue deputado

Mais de 70 dias depois, Vargas segue deputado

Desde a denúncia de que o parlamentar viajou à custa de doleiro, o processo se arrasta. Hoje, testemunhas não devem aparecer para depor no Conselho de Ética

PAULO DE TARSO LYRA
postado em 18/06/2014 00:00
 (foto: Carlos Moura/CB/D.A Press - 2/4/14)
(foto: Carlos Moura/CB/D.A Press - 2/4/14)

Espremido pela Copa do Mundo e pelas convenções partidárias, o Conselho de Ética tem reunião marcada hoje para, em tese, ouvir testemunhas arroladas para depor sobre o caso do ex-petista e ainda deputado André Vargas (sem partido-PR). Em tese, porque seis dessas pessoas não confirmaram presença e outras duas ; Bernardo Tosto, dono do jatinho no qual Vargas viajou bancado pelo doleiro Alberto Youssef, e o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Carlos Gadelha ; avisaram que não vão. ;Eu tenho um prazo para entregar meu relatório, e vou cumpri-lo;, afirmou o relator do processo, deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

O período a que se refere o parlamentar socialista é o tempo máximo em que ele tem para apresentar, no próprio Conselho de Ética, o texto pedindo ou não a cassação do mandato de André Vargas. Após renunciar ao cargo de vice-presidente da Câmara e ser pressionado pela Executiva Nacional do PT a desfiliar-se, para diminuir o desgaste na imagem da legenda, Vargas agarra-se em todos os tempos regimentais a que tem direito para esticar ao máximo o processo de cassação e não perder os direitos políticos. As denúncias de envolvimento com Youssef surgiram em 1; de abril.

Os petistas arrolados por Delgado ; o presidente nacional do PT, Rui Falcão; e os deputados Cândido Vaccarezza (SP) e Vicentinho (SP), líder do partido na Casa ; não responderam se estarão em Brasília para a audiência. Tampouco confirmaram presença os donos do laboratório Labogen, Leonardo Meirelles e Esdra Ferreira. O estabelecimento, que tentou fechar um contrato com o Ministério da Saúde, é considerado pela Polícia Federal uma entidade de fachada criada para lavar o dinheiro movimentado pela quadrilha do doleiro. Youssef, preso no Paraná, seria a oitava testemunha convidada por Delgado.

A pessoas próximas, o deputado Cândido Vaccarezza tem dito que não faz questão de comparecer ao Conselho de Ética. Considerado um fiel escudeiro de Vargas desde as primeiras denúncias contra o ex-companheiro de legenda, Vaccarezza também tem o nome citado em gravações feitas pela Polícia Federal. Ele admite ser amigo de Vargas, que pode até ;ter tomado café com Youssef;, mas afirma que jamais teve qualquer relacionamento com o doleiro preso pela Operação Lava-Jato, deflagrada pela Polícia Federal.

Estorvo

O petista também acusa Delgado de usar o Conselho de Ética para se promover politicamente. Ele já está engasgado na garganta dos petistas desde 2005, quando foi autor do relatório que cassou o deputado José Dirceu dentro do escândalo do mensalão. Delgado é cotado pela direção nacional do PSB para concorrer ao governo de Minas Gerais. ;Eu não sou candidato, oficialmente falando. O outro postulante ao cargo, Apolo Heringer, não abriu mão da disputa;, disse o pessebista. A convenção do PSB mineiro está marcada para este fim de semana.

Júlio Delgado disse que não pode ficar refém de outros calendários. ;Os políticos reclamam que têm as convenções, que estamos no meio da Copa do Mundo. Na próxima semana, teremos as festas juninas e será a vez de a bancada nordestina viajar para os estados. Eu preciso concluir meu trabalho para que o caso seja levado ao plenário;, completou o deputado do PSB.

;Os políticos reclamam que têm as convenções, que estamos no meio da Copa do Mundo (;) Eu preciso concluir meu trabalho para que o caso seja levado ao plenário;

Júlio Delgado (PSB-MG)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação