Transplantados de medula com mais leitos

Transplantados de medula com mais leitos

CAMILA COSTA
postado em 19/06/2014 00:00
 (foto: Dênio Simões/GDF)
(foto: Dênio Simões/GDF)




Quem precisa de um transplante de medula óssea no Brasil sofre na espera por um doador e, depois, por um leito. Hoje, 247 pessoas em todo o país, que já tiveram os doadores identificados, aguardam na fila por conta da insuficiência de vagas em hospitais. No Distrito Federal, a lista soma 24 pessoas que, a partir de agora, têm uma esperança a mais. Foi inaugurada, ontem, a Unidade de Transplante de Medula Óssea Pietro Albuquerque, um centro público de transplante que pretende atender a demanda de procedimentos do Brasil e em Brasília.

A unidade funcionará no terceiro andar do Instituto de Cardiologia do DF (ICDF), no Cruzeiro Novo. São quatro ambientes principais. A sala de recepção será útil para os pacientes em tratamento de quimioterapia; a ala de internação, com 27 leitos, sendo 12 de hospitais; consultório; e espaço para coleta de células-tronco. Atualmente, já é feito o transplante autólogo ; quando a doação é do paciente para ele mesmo, com retirada de medula e reaplicação das células saudáveis. Com o novo centro, serão realizados os transplantes alogênicos ; entre duas pessoas, com ou sem parentesco.

A expectativa da direção do instituto é de que, até o início do próximo mês, a unidade esteja pronta para a realização dos dois tipos de procedimento. ;Não era mais aceitável que continuássemos enviando pacientes do DF para serem operados em outros lugares;, afirmou o superintendente do ICDF, João Gabbardo. A crença de que é um processo incisivo, complicado e muito dolorido atrapalha, muitas vezes, a oferta de doadores. ;É um procedimento relativamente simples. Faz-se a coleta, o sangue é preparado, preservado e, depois, transfundido no paciente;, explicou a diretora médica do ICDF, Núbia Vieira.

O nome da unidade de transplante é uma homenagem ao filho do deputado federal Beto Albuquerque (PSB-RS), que morreu em 2009, aos 19 anos, depois de lutar 13 meses contra uma leucemia mieloide aguda. A indicação de transplante, hoje em dia, tem sido cada vez maior, como em casos de anemias graves e doenças do sistema imunológico, e não mais apenas contra o câncer de medula óssea. ;Quando perdemos a luta, poderíamos ter afundado na desesperança, mas achei que deveria me envolver na luta para ajudar outras pessoas;, discursou o deputado.

O gasto com a unidade será de R$ 2 milhões por mês, cobertos integralmente pelo Ministério da Saúde. O ministro Arthur Chioro participou da cerimônica de inauguração, ontem, com o governador do DF, Agnelo Queiroz. Além do deputado, a mãe e os irmãos de Pietro também foram até a unidade. ;A população precisa saber que existe atendimento bom e gratuito pelo Sistema Único de Saúde. Vamos derrubar a fila de transplante de medula óssea;, afirmou Agnelo, referindo-se à promessa de otimização dos procedimentos por causa da nova unidade. O ICDF avalia que, até o fim do ano, 45 transplantes serão realizados na capital.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação