Carga grande, picape pequena

Carga grande, picape pequena

Para garantir a segurança no trânsito, há regras a seguir na hora de transportar certos tipos de carga. O peso máximo, por exemplo, deve ser observado sempre

» Paulo Henrique Vivas
postado em 26/06/2014 00:00
 (foto: Jorge Gontijo/EM/D.A Press - 31/5/11 )
(foto: Jorge Gontijo/EM/D.A Press - 31/5/11 )

A quantidade de picapes compactas circulando no país confirma o sucesso desse segmento, que é quase exclusivo do Brasil. Além da praticidade e do consumo de carros menores, elas oferecerem uma capacidade de carga satisfatória tanto para demandas comerciais quanto para o lazer. No entanto, é comum verificar por aí o transporte irregular ; e muitas vezes perigoso ; de variados tipos de carga, desrespeitando a legislação de trânsito. A Resolução 349 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que trata sobre o transporte eventual de cargas em automóveis, caminhonetes e utilitários, estabelece algumas regras e dá orientações de como realizar os procedimentos corretos para garantir a segurança no trânsito.

OBRIGAÇÕES

O condutor deve observar o peso máximo da carga especificado para o veículo, que nessa categoria gira em torno de 500 quilos. A carga transportada não pode ser arrastada ao chão nem representar risco aos demais motoristas, assim como não pode provocar ruído ou poeira. Dessa forma, o condutor deve providenciar o acondicionamento e amarração corretos dos objetos a serem transportados, para que a carga não caia sobre a via. Não é permitido que a carga exceda a largura máxima do veículo, sem qualquer tipo de tolerância, e muito menos ultrapasse a parte frontal. Os objetos transportados não podem obstruir a visão do motorista e também não devem ocultar as luzes de sinalização do carro. É muito importante prestar atenção, para que não haja o comprometimento da estabilidade ou condução do veículo, situação que pode proporcionar a perda do controle da direção e causar acidente grave.

BICICLETAS
No caso de carga indivisível ou de bicicleta transportada em caçamba, passará a ser admitida a circulação do veículo com a tampa do compartimento de carga aberta, mas apenas durante o transporte da carga que ultrapasse o comprimento da caçamba. Caso a carga se sobressaia ou se projete além dos limites da tampa traseira, deverá estar bem visível e sinalizada. Pode-se levar carga com a tampa da caçamba rebatida ou deitada. No período noturno, essa sinalização deverá ser feita por meio de uma luz vermelha e um dispositivo refletor de cor vermelha. Caso a carga ou bicicleta prejudique a visibilidade parcial ou total da placa de identificação do veículo, será obrigatório o uso de uma segunda placa, que será lacrada em sua parte estrutural do veículo (para-choque ou carroceria). Essa segunda placa será fixada pelo órgão de trânsito.

DIMENSÕES
A carga, já considerada a altura do suporte, deverá ter altura máxima de 50cm, e suas dimensões não devem ultrapassar o comprimento da carroceria e a largura da parte superior desta. Os limites para o comprimento do balanço traseiro, que é a distância compreendida entre o eixo traseiro e o plano vertical que lhe é paralelo, não podem exceder a 60% do valor da distância entre os dois eixos do veículo. As medidas máximas autorizadas para veículos com ou sem carga são de 2,60m para a largura e 4,40m para a altura. Qualquer carga transportada que exceda estas dimensões deve ter Autorização Especial de Trânsito (AET).

ANIMAIS
O artigo 235 do Código de Trânsito Brasileiro considera infração de natureza grave a condução de animais nas partes externas do veículo. Dessa forma, é proibido amarrar animais nas caçambas de picapes. A maneira mais segura para transportá-los é dentro do veículo, em caixas transporte, sempre no banco traseiro ou usando cinto de segurança para cães.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação