Críticas e elogios dos colegas

Críticas e elogios dos colegas

postado em 02/07/2014 00:00
Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) comentaram ontem a aposentadoria do presidente da Corte, Joaquim Barbosa. Marco Aurélio Mello foi o único a criticar a gestão de Barbosa, que teria ;arranhado; o padrão do STF. ;É o resgate da liturgia que precisa ser observado. As instituições crescem quando nós proclamamos valores. Quando nós observamos a necessidade de manter o alto nível. (...) Nós precisamos voltar ao padrão anterior, que não é só da Fifa. Deve ser também das instituições brasileiras. Esse padrão ficou arranhado na última gestão;, disse.

Apesar de reconhecer que Barbosa será lembrado pelo trabalho como relator do mensalão, Marco Aurélio avaliou que o presidente poderia ;mostrar um apego maior ao ofício; e não deixar antecipadamente o tribunal. ;Eu acho que quebra a ordem natural das coisas. Eu não me lembro de outro presidente ter renunciado à própria presidência.; Em plenário, na manhã de ontem, Marco Aurélio cumprimentou o colega Ricardo Lewandowski, que assume interinamente o comando do STF e desejou ;boa sorte;.

Outros ministros elogiaram a gestão de Barbosa. O novo relator do mensalão, ministro Luís Roberto Barroso, avaliou que o presidente ;se tornou um bom símbolo contra o status quo e um bom símbolo contra a improbidade no Brasil". ;Conduziu a Ação Penal 470, que era um processo extremamente difícil, numa linha que quebrou um pouco o padrão geral seletivo da Justiça brasileira.; O ministro Luiz Fux disse que Barbosa ;fez muito pela magistratura; e que tem apreço pessoal a ele. ;Guardando três características muito importantes que se exige: a nobreza de caráter, sua elevação moral e sua independência olímpica.;

Gilmar Mendes avaliou que Barbosa ficará na memória do julgamento do mensalão e disse que o período do ministro como presidente do STF foi ;agitado;. ;Não por conta dos acontecimentos apenas desenvolvidos aqui (no tribunal), mas pela pressão externa, tentativas para que não houvesse julgamento, as manobras para que ele se alongasse, embargos infrigentes... Dois colegas (Ayres Britto e Cezar Peluso) foram praticamente tirados do julgamento por causa do alongamento. Tudo isso contribuiu para uma certa agitação, além de, certamente, o temperamento do Joaquim;, disse Mendes. (JC)

Encontro no Planalto
Barbosa visitou ontem o vice-presidente da República, Michel Temer, no Palácio do Planalto, e afirmou que o encontro serviu para que pudesse se despedir. O encontro durou menos de 10 minutos. ;Vim me despedir. Foi uma conversa muito boa, agradável, com promessa de renovação, com temas literários;, disse Barbosa. Segundo a assessoria de Temer, ele e Barbosa têm interesse comum em discutir temas da literatura e da história política recente do Brasil, como a biografia do ex-presidente Getúlio Vargas. Ao deixar o palácio, Barbosa não quis comentar as declarações de Mello.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação