Roucos pelo Brasil

Roucos pelo Brasil

» CAMILA COSTA » TAÍS BRAGA
postado em 02/07/2014 00:00
Brasileiro é louco por futebol, pela Seleção Brasileira e, em dia de jogo, grita por ela enquanto o pulmão e a garganta aguentam. A chegada do inverno, período conhecido pelos baixos índices de umidade, deixou muita gente resfriada, gripada e com diversos tipos de rinites. Mas a Copa do Mundo, essa sim tem deixado os torcedores sem voz. A cada partida, principalmente quando o Brasil está em campo, os gritos que empurram o time dentro dos estádios ou os que ecoam dentro das milhares de residências brasileiras têm deixado boa parte dos brasilienses roucos. O jeito é investir nas receitas médicas e caseiras para continuar na torcida.

Na lista, mel com limão, própolis, bala de gengibre, chá, pastilhas, tudo para tentar resgatar a voz, que sumiu depois do último jogo da Seleção Canarinho, no sábado passado. A partida entre Brasil e Chile deixou o brasileiro nervoso, com direito a orações, unhas roídas e muito, muito grito, até a vitória do Brasil, nos pênaltis.
O professor de inglês Tiago Marques Calixto, 30 anos, ainda não se recuperou totalmente.
Está recorrendo às receitas à base de limão para garantir a torcida na sexta-feira. ;O jogo foi tenso demais. No dia seguinte, não conseguia nem falar;, contou. Rouco e com tosse, o professor teve, inclusive, dificuldades para dar aulas.

Mesmo com a garganta prejudicada por causa da torcida no jogo de sábado, o estatístico Flávio Henrique de Souza Gonçalves, 37 anos, foi torcer também pela Nigéria, na última segunda-feira, na partida contra a França, no Estádio Nacional. ;Independentemente de ser o Brasil, é tudo uma festa. E, na hora de gritar gol, não tem como economizar. Grita para o jogador tocar a bola, pro Felipão, tudo como se eles ouvissem;, disse. Flávio promete ainda mais empenho nas próximas disputas. ;Vamos até a final. Estaremos lá, com ou sem voz. Só paro quando a Copa acabar.;

Mas, se é difícil conter a emoção, a dica é ter cuidados básicos. Segundo a otorrinolaringologista Mercedes Fabiana dos Santos Araújo, o trauma agudo das pregas vocais, o grito, pode ocasionar desde um processo inflamatório simples até uma hemorragia interna das cordas. Esse rompimento dos vasos sanguíneos da região pode evoluir e, no futuro, apresentar outros tipos de complicação, como um pólipo, uma lesão crônica que deixa a voz rouca permanentemente. ;Estamos em uma época de temperaturas mais baixas, que favorecem os problemas de voz, com as laringites. Mas são problemas que passam, assim como uma rouquidão qualquer, que pode durar até 10, 15 dias. Mais do que isso, tem de ser avaliado;, alertou.

Cuidados

O recomendado é não gritar. As cordas vocais da maioria das pessoas não são preparadas para aguentar traumas agudos. Mas não deu para segurar a emoção? Saiba como amenizar a rouquidão e evitar problemas crônicos:

; Faça repouso vocal. Isso não significa falar baixo, cochichar.
O ideal é não falar.
; Hidrate-se. Beba muita água. Será importante para manter a voz limpa, clara e sem acúmulo de muco.
; Evite cafeína e álcool.
; Umidifique as cordas vocais: uma opção é respirar por alguns minutos a água quente do banho. Ao contrário do ar frio, ele tem ação anti-inflamatória.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação