Israel desafiador

Israel desafiador

Primeiro-ministro Benjamin Netanyahu avisa que não vai se curvar à pressão internacional pelo fim dos ataques à Faixa de Gaza. Bombardeios mataram 110 palestinos. Foguetes do Hamas atingiram posto de gasolina

Rodrigo Craveiro
postado em 12/07/2014 00:00
 (foto: Jack Guez/AFP)
(foto: Jack Guez/AFP)










;Nenhuma pressão internacional nos impedirá de atacar os terroristas que nos agridem.; O alerta do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu sugere que Israel está determinado a levar a Operação Cerca Protetora às últimas consequências para minar a infraestrutura do movimento fundamentalista islâmico Hamas. Desde quinta-feira, a Força Aérea Israelense disparou mais de 200 mísseis contra alvos supostamente ligados ao Hamas na Faixa de Gaza, incluindo túneis, escritórios e casas. A morte de crianças e de mulheres motivou a condenação por parte de organizações não governamentais e das Nações Unidas. Encurralado dentro do próprio gabinete, Netanyahu ordenou o reforço do sistema de defesa Domo de Ferro, prometeu desferir ;golpes decisivos; no Hamas e tornou a admitir uma invasão por terra. ;Estamos preparando todas as opções;, comentou.

Até o fechamento desta edição, os bombardeios ao enclave palestino tinham deixado 110 mortos e mais de 600 feridos. O chanceler israelense, Avigdor Liberman, pediu a Netanyahu para ;ir até o fim; e ;erradicar o regime do Hamas em Gaza;. O grupo islâmico controla o território e mantém um governo de unidade com o Fatah, do líder palestino, Mahmud Abbas. Pela primeira vez desde o começo da atual crise, um foguete lançado a partir do Líbano caiu na cidade de Metula, na fronteira norte de Israel. Um porta-voz das Forças de Defesa de Israel acusou o governo libanês.

Horas depois do telefonema do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a Netanyahu, a Casa Branca se ofereceu para utilizar sua ;influência; no Oriente Médio para forçar um cessar-fogo. Segundo o porta-voz Josh Earnest, os EUA têm ;uma série de contatos; que podem ser usados para ;tentar dar um fim aos ataques com foguetes;. ;Estamos interessados em levar adiante os passos que demos há um ano e meio, em novembro de 2012, para proporcionar um cessar-fogo;, declarou. Mas ele destacou o direito de Israel à autodefesa. Abbas reconheceu estar sozinho na luta por uma solução baseada em dois Estados e exortou ao Conselho de Segurança da ONU a ordenar uma trégua imediata. Primeira nação a assinar um tratado de paz com Israel, em 1979, o Egito condenou a ;política de punição coletiva; em Gaza. O premiê da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, denunciou uma política baseada em ;mentiras; por parte dos israelenses. ;Ele (Israel) diz que (o Hamas) dispara foguetes. Mas alguém morreu?;, indagou.

A ofensiva contra Gaza parece não ter afetado o poder de fogo dos militantes palestinos. Durante todo o dia de ontem, as sirenes antiaéreas soaram no centro e no sul de Israel. Em Tel Aviv, quatro foguetes de longo alcance M75 explodiram ao serem interceptados pelo Domo de Ferro. O Hamas afirmou que pretendia atingir o Aeroporto Internacional Ben-Gurion. Em Beersheva, 94km ao sul, duas israelenses ficaram feridas após um foguete impactar uma casa. Jerusalém também voltou a ser alvo.

Outro projétil burlou o escudo antimísseis e atingiu um posto de gasolina em Ashdod. ;Acabei de sair do abrigo antibombas. Tudo o que espero é que o conflito termine logo;, desabafou o russo Ilya Portnov, 27 anos, por meio da internet, às 20h05 (14h05 em Brasília). Segundo ele, as sirenes soaram seis vezes ontem. ;Além do posto, um caminhão-tanque pegou fogo. Como eu estava no centro da cidade e o posto fica ao norte, pude ver a fumaça à distância. À noite, houve duas fortes explosões, sem alerta vermelho;, relatou Ilya, que trocou Moscou por Ashdod em 13 de janeiro passado.

Ativismo
Na Cidade de Gaza, um ataque ao porto destruiu vários barcos, entre eles o Gaza Ark (;Arca de Gaza;, pela tradução livre), construído no ano passado para romper o embargo israelense. ;Depois da zero hora de hoje (ontem), Israel começou a disparar contra o porto. Houve enormes explosões, e o Gaza Ark começou a queimar. A Defesa Civil controlou o incêndio após 45 minutos, mas a embarcação ficou arruinada;, lamentou à reportagem, por telefone, Mahfouz Kabariti, gerente do projeto Ark Gaza, financiado por civis de países árabes, dos EUA, do Canadá, da Austrália e da Turquia. De acordo com ele, o barco levava mercadorias de produtores palestinos para serem comercializadas fora de Gaza. ;A nossa intenção era ajudar famílias palestinas em difícil situação econômica;, explicou, ao descartar vínculo com grupos de resistência ou com governos. ;Foi um ataque direto, que visava o barco.;

A dona de casa palestina Sally Idwedar, 30 anos, confirmou ao Correio que Gaza está à beira de uma catástrofe humanitária. ;Os hospitais estão com baixo estoque de medicamentos e suprimentos. Uma tubulação de água que abastecia os campos de refugiados foi destruída. Na madrugada passada, dispararam mísseis perto de hotéis, no porto, e sobre ambulâncias, escolas e hospitais. Não há lugar seguro.; Ontem, 34 organizações não governamentais pediram uma trégua e respeito aos direitos humanos.



Duas perguntas para

Aaron David Miller, especialista do Woodrow Wilson
Internacional Center for Scholars (Washington)




Como o senhor analisa a posição desafiadora de Netanyahu ao insistir na escalada dos ataques a Gaza?
Este é o terceiro round de uma confrontação que tem sido travada pelos últimos seis anos. O Hamas é uma organização bastante resiliente, capaz de adquirir ou repor armamentos de grande alcance. Em 2008/2009 e em 2012, temos visto esse tipo de confrontação. Dessa vez, Israel está respondendo de modo diferente. Em 2008, houve uma grande ofensiva terrestre, que durou três semanas e matou muitos palestinos, além de 13 israelenses. Em 2012, a operação durou uma semana e não houve incursão de tropas. Não existe solução para esse conflito. O Hamas está lançando foguetes por ser uma organização de resistência, que controle um pedaço da Palestina. Seus militantes não se interessam por diplomacia, como (Mahmud) Abbas (presidente palestino). Não se interessam em tornar parte do processo de paz. Essa confrontação provavelmente vai terminar do mesmo modo que as outras duas: Israel continuará seus ataques, que não serão suficientes para destruir o Hamas ou para ocupar a Faixa de Gaza. Provavelmente, descobrirão isso em 10 dias ou em duas semanas.

Quais as consequências dessa crise?
Tanto o Hamas quanto Israel, talvez auxiliados pelo Egito, tentarão negociar um cessar-fogo. Mas isso não vai parar o problema entre israelenses e palestinos. Não há solução. Isso não é um problema entre o Hamas e Israel sobre a questão dos assentamentos, da ocupação e do bloqueio a Gaza. Trata-se de uma questão envolvendo uma organiza

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação